McCain faz campanha pela Flórida com ataques a rival

O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, embarcou hoje em seu ônibus de campanha pela Flórida aproveitando o famoso caso de Joe, o encanador, personagem que se tornou emblemático em seu esforço para conquistar a classe trabalhista, afirmando que o rival democrata Barack Obama é um socialista que quer redistribuir a riqueza norte-americana. Uma nova pesquisa na Flórida, Estado-chave para a disputa, mostrou Obama à frente de McCain - 49% a 44%. Porém, a mesma pesquisa, da Quinnipiac University, divulgada em 1º de outubro, mostrava uma vantagem maior de Obama, de oito pontos porcentuais.A enfraquecida economia dos EUA, onde o mercado de ações caiu mais de 5,5% ontem, tem sido o foco de atenção dos norte-americanos a 12 dias da eleição. A pesquisa da universidade mostra que os eleitores acreditam mais em Obama do que em McCain para lidar com a crise econômica, em uma relação de 51% e 43%, respectivamente. O levantamento também traz números para outros Estados-chave na eleição, Ohio e Pensilvânia, em que o democrata aparece na frente. Eleitores de Ohio deram a Obama uma vantagem de 14 pontos - 52% a 38%. Na Pensilvânia, o democrata lidera com 13 pontos de vantagem, em relação de 53% a 40%.Essas pesquisas refletem outros resultados que mostram Obama com uma liderança que está se aproximando dos 270 votos no colégio eleitoral necessários para a vitória. O voto nacional popular não conta na vitória no sistema eleitoral norte-americano, que depende dos colégios eleitorais, nos quais os membros são distribuídos de acordo com a população de seus respectivos Estados.Hoje, Obama declarou à rede de televisão CBS que não consegue se imaginar fazendo o tipo de campanha negativa feita por McCain. Ele disse que as afirmações de que é socialista e que tem "ligações com terroristas", como prega a campanha do adversário, representam "o tipo de coisa que eu não consigo me imaginar dizendo sobre um oponente".McCain começou a chamar o rival de socialista após um encontro que Obama teve este mês no debate final presidencial com Joe Wurzelbacher, a quem McCain apelidou de Joe, o encanador. Joe questionou Obama se seu plano para aumentar os impostos para os norte-americanos que ganham mais de US$ 250 mil por ano iria impedi-lo de comprar a loja de encanamento em que trabalha.ImpostosObama realmente quer reverter os cortes de tributos para os mais ricos impostos pela administração do republicano George W. Bush, mas afirma que usará o dinheiro para reduzir impostos para os norte-americanos que ganham menos de US$ 250 mil por ano, parcela da população que representa cerca de 95% dos contribuintes. Segundo o democrata, a medida possibilitará uma melhor distribuição da carga tributária.Wurzelbacher revelou posteriormente que não recebe tanto por ano, e várias análises sugerem que ele pagaria menos imposto sob a proposta de Obama do que sob a de McCain. Mas nada disso evitou que o republicano e sua vice, Sarah Palin, utilizassem Wurzelbacher como ponto central de seus discursos em Ohio. "Sarah Palin e eu não iremos elevar seus impostos, meus amigos. Nós queremos que você fique rico", disse McCain. Palin encantou a platéia ao zombar de Obama, chamando-o de "Barack, o distribuidor de riqueza".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.