McCain ganha vaga para disputar Senado, diz agência

O senador do Partido Republicano pelo Estado do Arizona, nos Estados Unidos, John McCain, superou um duro adversário nas primárias partidárias de ontem, segundo projeção da agência de notícias Associated Press, derrotando J.D. Hayworth. McCain está com 59% dos votos da disputa interna da sigla para concorrer ao Senado, enquanto Hayworth, aparece com 29%, segundo apuração parcial divulgada nesta quarta-feira.

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2010 | 08h45

McCain, o candidato republicano à presidência em 2008, tornou-se um alvo de ativistas conservadores que o consideravam afastado dos princípios da sigla, por seu trabalho com os rivais democratas em temas como imigração e a campanha pela reforma financeira.

Hayworth, que perdeu seu posto na Câmara dos Representantes em 2006, procurou mobilizar o movimento conservador Tea Party na disputa. Mas McCain respondeu rápido, gastando mais de US$ 20 milhões e caminhando para a direita em sua campanha. O republicano aparece com grande vantagem sobre seu rival democrata para as eleições de novembro.

Não está claro o peso que McCain pode ter agora em nível nacional. Ele ganhou estatura nacional, como alguém capaz de superar as divisões partidárias para trabalhar pelos Estados Unidos. Desde perder a presidência para Barack Obama, porém, mostra-se um republicano muito mais conservador.

A mudança mais notável nas primárias foi no tema da imigração. Antes um defensor de uma lei de imigração que ajudaria muitos ilegais residentes no país a se legalizar, McCain ressaltou na campanha a necessidade de reforçar as barreiras.

A governadora do Arizona, Jan Brewer, também ganhou as primárias partidárias e concorrerá na disputa nacional. Ela ganhou fama nacional por seu forte apoio à nova lei estadual para combater a imigração ilegal. A norma acabou contestada judicialmente pelo Departamento de Justiça. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.