McCain obtém vaga; Hillary reage

Senador será o candidato presidencial republicano em novembro; ex-primeira-dama vence em Ohio e se mantém na disputa

Patrícia Campos Mello, COLUMBUS, EUA, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2008 | 00h00

Ex-prisioneiro de guerra, condecorado por bravura no combate do Vietnã, o senador republicano pelo Arizona, John McCain, de 71 anos, venceu as quatro prévias de ontem - em Ohio, Texas, Rhode Island e Vermont - e converteu-se oficialmente no candidato de seu partido para as eleições presidenciais americanas de novembro. Com o triunfo, o senador conquistou mais de 150 delegados, ultrapassando o número mágico de 1.191 representantes necessários para assegurar a indicação do partido. Ainda antes da divulgação oficial do resultado, o principal rival de McCain, o ex-governador de Arkansas Mike Huckabee, anunciou que se retirava da disputa e prometeu apoiar o senador na eleição de novembro. "A campanha mais importante começa agora", disse McCain em seu discurso de vitória. "O próximo presidente dos EUA deve se comprometer em trazer de volta nossos soldados que estão no Iraque sem pôr em risco a segurança daquele país", acrescentou, indicando qual será sua proposta para o tema, que divide os americanos. Espera-se para hoje uma declaração do presidente George W. Bush, também republicano, de apoio à candidatura McCain.Já na disputa democrata, muito mais acirrada, a senadora e ex-primeira-dama Hillary Clinton mantinha suas chances de obter a nomeação do partido ao vencer seu rival, o também senador Barack Obama, em Rhode Island e sustentar uma folgada liderança em Ohio. Obama venceu a prévia em Vermont. No começo da madrugada de hoje, os dois pré-candidatos democratas estavam empatados na disputa no Texas, onde as pesquisas apontavam para um triunfo de Obama. De acordo com projeções da rede de TV CNN, Hillary vencia em Ohio por 56% a 42%, com 81% das urnas apuradas. No Texas, a senadora tinha 2 pontos porcentuais de vantagem sobre Obama - 50% a 48% -, com 66% dos votos computados.Apesar de o marido de Hillary, o ex-presidente Bill Clinton, ter dito que a democrata precisava vencer nas prévias de Ohio e no Texas , a campanha da senadora tentou mudar essa mensagem dizendo que ganhar em apenas um dos dois Estados já seria suficiente para dar combustível até a primária da Pensilvânia, no fim de abril.Aos que já consideravam Hillary carta fora do baralho, seus assessores lembravam da primária de New Hampshire, em 8 de janeiro, quando a senadora conseguiu frear a ascensão de Obama ao conquistar uma vitória surpreendente.Aparentemente, a estratégia deu certo. A campanha de Hillary deve tentar retratar a provável vitória em Ohio, por mais de 10 pontos de vantagem, como uma "grande virada". Mesmo assim, Hillary deve continuar bem atrás de Obama no número total de delegados, uma vez que eles são alocados de forma proporcional e de acordo com cada distrito eleitoral. Apesar disso, será difícil convencê-la a desistir e deixar Obama, com maior número de delegados, ser confirmado como candidato. Ohio é um bom retrato da crise econômica atual dos EUA. No Estado, que perdeu 200 mil empregos na indústria desde 2000 e onde as execuções de hipoteca estão em nível recorde, os dois candidatos apostaram na retórica populista antiglobalização. Mas Hillary levava vantagem entre os trabalhadores brancos de classe média baixa, importante parcela dos eleitores locais. No Texas, Hillary fez o que pôde para assegurar sua vitória. A senadora espalhou anúncios agressivos na TV, alfinetou de todas as formas Obama e até ameaçou processar a direção estadual do partido em razão do que ela chamou de "falta de clareza" das normas eleitorais locais. E são justamente as complicadas regras da votação que poderiam prejudicar sua candidatura. Dos 228 delegados do Estado, 126 seriam escolhidos por meio de votação direta. Assim que as urnas fechassem, os eleitores teriam de participar de um caucus, que indicaria outros 67 delegados estaduais - os 35 restantes são superdelegados, que são parte da direção do partido e não são eleitos pelo voto direto.COM CRISTIANO DIAS, ENVIADO ESPECIAL A HOUSTON, TEXAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.