McCain promete grandes mudanças

Candidato se apodera do slogan de Obama, apresentando-se como um reformador disposto a mudar Washington

Patrícia Campos Mello e Lourival Sant?Anna, SAINT-PAUL, EUA, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2008 | 00h00

O candidato republicano, John McCain, tentou se apoderar do tema "mudança", o slogan de seu rival democrata, Barack Obama, ao aceitar a indicação na Convenção Republicana ontem. "Quando nós dizemos que vamos mudar Washington, vocês podem contar com isso", discursou McCain. a href=''http://www.estadao.com.br/internacional/not_int236505,0.htm'' target=_blank>Mais informaçõesNuma campanha em que ambos os lados disputam qual dos dois é mais anti-establishment, McCain repetiu a palavra "mudança" nove vezes. Ele elogiou sua companheira de chapa, a antes desconhecida governadora do Alasca, Sarah Palin. "Estou muito orgulhoso de ter apresentado nossa próxima vice-presidente ao país. Mas mal posso esperar para apresentá-la a Washington. E deixe-me avisar ao velho pessoal de Washington, gastador, que não faz nada, que se coloca em primeiro lugar e o país em segundo: a mudança está chegando."Apesar de McCain estar em Washington há mais de 30 anos, ele quer enfatizar sua faceta independente , que não segue cegamente as orientações do partido, colabora com os democratas e quer reformar o governo. "Eu lutei contra a corrupção, e não importava se os culpados eram republicanos ou democratas", disse. "Eu lutei contra os gastadores dos dois partidos, que desperdiçam seu dinheiro em coisas de que você não precisa, enquanto você luta para pagar o supermercado."McCain lembrou que é considerado um "rebelde" entre os republicanos e enfatizou seu bipartidarismo. "O constante rancor partidário que nos impede de resolver os problemas não é uma causa, mas um sintoma", afirmou McCain. "É o que acontece quando as pessoas vão para Washington para trabalhar para si mesmas, não por vocês." E continuou, realçando seu lado não-sectário: "Repetidas vezes tenho trabalhado com integrantes dos dois partidos para resolver os problemas. É assim que governarei como presidente", prometeu. "Estenderei minha mão a qualquer um que me ajude a colocar esse país em movimento de novo. Tenho essa história e as feridas para prová-lo." E comparou: "O senador Obama não tem." Três interrupções de manifestantes infiltrados na platéia atrapalharam sue discurso. O primeiro carregava um cartaz que dizia: "McCain votou contra os veteranos", referindo-se ao fato de o republicano ter votado contra a expansão de benefícios para veteranos. Depois, outra manifestante voltou a interromper o discurso e foi abafada por gritos de "USA", enquanto os seguranças a levavam para fora.McCain, um ex-piloto da Aviação Naval que ficou cinco anos e meio como prisioneiro no Vietnã, voltou a explorar sua imagem de herói de guerra: "Apaixonei-me por meu país quando era prisioneiro em outro. Nunca mais fui o mesmo. Não era mais dono de mim mesmo. Pertencia ao meu país."Como previsto, McCain dedicou boa parte de seu discurso aos problemas da economia, um de seus pontos fracos. Afirmando que Obama faria o contrário, ele prometeu "manter os impostos baixos" e reduzi-los onde for possível, além de "abrir novos mercados" para os bens e serviços americanos. FRASESJohn McCainCandidato republicano"Estenderei minha mão a qualquer um que me ajude a colocar esse país em movimento de novo. Tenho essa história e as feridas para prová-lo. O senador Obama não tem"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.