McCain ultrapassa Obama em pesquisas

Sondagens comprovam avanço de republicano e provocam reação de democrata, que adota tom mais agressivo

AP, REUTERS E NYT, O Estadao de S.Paulo

21 de agosto de 2008 | 00h00

O senador John McCain, candidato republicano à presidência dos EUA, vem avançando rapidamente nas pesquisas de intenção de voto e, em algumas delas, já se encontra à frente de seu rival, o senador democrata Barack Obama. Em sondagem da Reuters-Zogby, divulgada ontem, McCain tem 5 pontos porcentuais de vantagem sobre Obama: 46% a 41%.Para o democrata, outra notícia ruim foi a percepção da maioria dos eleitores de que McCain é o candidato mais preparado para comandar a economia dos EUA, uma questão que, até então, vinha sendo dominada com folga por Obama. McCain, que reconheceu recentemente não entender muito bem do assunto, foi considerado o melhor gestor por 49% dos entrevistados, enquanto para 40% dos americanos Obama ainda é o mais indicado para enfrentar a crise econômica. Ontem, o instituto Battleground também divulgou uma pesquisa nacional apontando, pela primeira vez, uma vantagem de McCain sobre Obama: 47% a 46%. Além aparecer à frente nessas três sondagens, McCain ultrapassou Obama também na estimativa feita pelo site Real Clear Politics, que analisa uma média das pesquisas, Estado por Estado, e atribui para cada candidato os respectivos votos que ele terá no colégio eleitoral - que é como a eleição americana será decidida. Se a eleição fosse hoje, o republicano venceria em 29 Estados, que lhe renderiam 274 votos no colégio eleitoral. Obama venceria em 21 Estados e ficaria com 264 votos - são necessários 270 votos no colégio eleitoral para eleger o presidente dos EUA. É a primeira vez que McCain ultrapassa Obama nessa estimativa desde que o democrata selou a nomeação, em junho.Apesar da recuperação de McCain, duas outras pesquisas divulgadas ontem ainda dão vantagem a Obama, embora mínima. Na sondagem da CNN, o democrata tem agora 45% das intenções de voto, enquanto McCain aparece com 44% - há uma semana, Obama tinha 47% e McCain 41%. De acordo com uma sondagem conjunta do jornal Los Angeles Times e da rede Bloomberg, Obama tem 45%, enquanto McCain surge com 43% - na última pesquisa, feita em julho, o democrata estava 12 pontos porcentuais à frente (49% a 37%).O avanço de McCain nas pesquisas acontece após um mês de intensos ataques contra Obama, que apresentaram o democrata como uma celebridade vazia e como alguém que não está pronto para comandar o país. Para muitos analistas, os republicanos estão aplicando as mesmas táticas usadas pela senadora Hillary Clinton, que disputou as prévias do partido contra Obama.Apesar de não ter funcionado durante as primárias, a estratégia parece estar dando resultados nas eleições gerais. A reação de Obama, segundo especialistas, também não ajudou o candidato democrata. Enquanto os republicanos atacavam por todos os lados, ele passou uma semana viajando por Europa e Oriente Médio e nove dias em férias pelo Havaí, exatamente no momento em que explodiu a crise na Geórgia.AGRESSIVIDADEPercebendo isso, Obama, que até agora insistiu em manter um espírito positivo em sua campanha, adotou um tom mais beligerante esta semana e começou a produzir comerciais negativos de TV, que refletiriam a tática de confronto que será predominante de agora em diante. De acordo com o jornal The New York Times, a reação do democrata responde ainda à ansiedade de sua equipe, que estaria insatisfeita com a falta de respostas duras aos ataques do rival. PESQUISAS46% dos votos é o que teria McCain, segundo pesquisa Reuters-Zogby41% dos votos é o que teria Obama, segundo a mesma sondagem47% a 40% era a vantagem de Obama em julho, de acordo com o mesmo instituto49% dos americanos acham que McCain é o candidato mais indicado para lidar com a crise econômica nos EUA40% dos americanos acreditam que Obama seria melhor que McCain para comandar a economia americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.