McCain vai propor imposto menor para empresas

O candidato republicano à CasaBranca, John McCain, vai prometer na terça-feira uma reduçãodos impostos sobre as empresas e sobre os trabalhadores declasse média. O senador também deve propor um sistema tributáriosimplificado, e insistirá para que os salários, benefícios eindenizações por afastamento de executivos-chefes tenhamaprovação dos acionistas das empresas. "Não importa qual de nós vencer em novembro, haverá umamudança em Washington. A questão é que tipo de mudança", diráMcCain numa conferência para micro-empresários, referindo-se aoseu rival democrata, Barack Obama. "Vamos realizar o maior aumento tributário desde a SegundaGuerra Mundial, como propõe meu adversário, ou vamos manter osimpostos baixos para famílias e empregadores?", dirá ele,segundo trechos divulgados de antemão. Ele dirá que os EUA têm a segunda maior carga tributária domundo para empresas, e que é necessário fazer uma redução paramanter a competitividade. McCain proporá também uma lei que autoriza empresas adebitarem gastos com tecnologia e equipamentos em seu primeiroano de atuação. Ainda sobre impostos, ele defende que os impostos sobreganhos de capital permaneçam baixos, que seja dobrada a isençãopor filho menor, e que se acabe gradualmente com o "impostomínimo alternativo", o que segundo ele geraria uma economia deaté 2 mil dólares por ano para 25 milhões de famílias de classemédia. Na segunda-feira, Obama acusou McCain de pretender ampliaros benefícios fiscais concedidos pelo governo George W. Bush, oque segundo o democrata agravaria ainda mais a dívida pública. Ele afirmou também que o apoio de McCain à prorrogação doscortes tributários de Bush permitiria uma economia de 2trilhões de dólares para as corporações. Em seu discurso, McCain dirá que o sistema tributário dosEUA é complicado de reformar, mas que é preciso tentar. "Como presidente, proporei um sistema tributárioalternativo. Quando esta reforma for realizada, todos os quedesejarem se adequar ao atual sistema poderão fazê-lo. Todos osdemais poderiam escolher um sistema muito menos complicado, comduas alíquotas e uma generosa dedução-padrão."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.