McCain visita Colômbia para expressar apoio a Uribe

O candidato republicano à Presidênciados Estados Unidos, John McCain, chegará na terça-feira àColômbia para reafirmar seu apoio ao livre-comércio, à lutacontra o narcotráfico e ao combate à guerrilha liderado pelopresidente Alvaro Uribe. É a primeira vez que um candidato presidencialnorte-americano visita a Colômbia, país considerado o principalaliado do governo de Washington na América Latina num momentoem que se destaca a presença dos governantes de esquerda naregião. McCain, senador pelo Estado de Arizona que já assegurou anomeação de seu partido na corrida para a Casa Branca, visitarána terça e quarta-feiras a cidade caribenha de Cartagena, eviajará na quinta-feira para o México. O candidato republicano apóia um Tratado de Livre-Comérciofirmado entre Colômbia e Estados Unidos, mas que ainda tem umapendência de ratificação no Congresso pela oposição dosdemocratas que exigem mais garantias e uma diminuição daviolência contra os líderes sindicais e defensores dos direitoshumanos. McCain mantém discordâncias com o seu rival democrataBarack Obama para as eleições de novembro, no tema dolivre-comércio. A visita de McCain acontece num momento marcado peladesarticulação de vários cartéis de narcotraficantes e pelasações contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc), que tiveram três de seus principais líderes mortos. De acordo com analistas, McCain busca se diferenciar deObama e mostrar o interesse que terá na América Latina casoseja eleito, apesar de críticas de que a medida não lhe darávotos na corrida pela Casa Branca. Especialistas defendem que com sua visita à Colômbia eMéxico, o candidato republicano também busca explorar a lutacontra o terrorismo e a questão da segurança como assuntosimportantes para a política internacional norte-americana. "Com a visita, McCain busca se consagrar com um setor doeleitorado latino-americano que admira o presidente Uribe e queestá de acordo com o discurso anti-terrorista do presidenteBush", disse Elizabeth Ungar, analista da Universidade de losAndes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.