Médica mandou último e-mail do Columbia

Como médica de submarino na Marinha americana antes de entrar para a Nasa, em 1996, Laurel Clark viajava pelas profundezas dos oceanos antes de ir às alturas como especialista da missão, ajudando com experiências científicas a bordo do ônibus espacial Columbia. Mãe de um menino de 8 anos, ela estava na sua primeira missão espacial quando quando o Columbia se desintegrou sobre o Texas. Um dia antes de morrer, ela mandou um e-mail para a família e os amigos: Olá de cima do nosso magnífico planeta Terra. A perspectiva é realmente inspiradora. Esta é uma missão incrível e nós estamos muito ocupados fazendo ciência contra o relógio. Conseguir um tempinho para escrever um e-mail é raro, então, esse vai ser curto, e distribuído para muitas pessoas que conheço e amo.Eu vi muitas coisas incríveis: tempestades de relâmpagos no Pacífico, a Aurora Australis nascendo no horizonte, com o desenho urbano das cidades da Austrália abaixo dela; a lua crescente surgindo no topo da Terra, as vastas planícies da África e as dunas do Cabo Horn, rios passando por fendas entre grandes montanhas, as cicatrizes da humanidade, a contínua linha da vida estendendo-se da América do Norte, passando pela América Central e até a América do Sul, uma lua crescente sobre o nosso planeta azul. O monte Fuji parece um pequeno calombo daqui de cima, mas se destaca como um verdadeiro marco.Milagrosamente, no primeiríssimo dia em que sobrevoamos o Lago Michigan, eu vi Wind Point (Wisconsin) claramente. Não tenho tido muita sorte, desde então. A cada órbita, passamos por lugares diferentes do planeta.Claro, na maior parte do tempo, estou trabalhando no Spacehab e não vejo nada disso. Qualquer coisa que eu consiga ver é sempre glorioso.Até as estrelas têm um brilho especial.Eu vi meu amigo Órion várias vezes. Tirar fotos da Terra é um verdadeiro desafio, mas uma longa e tortuosa trilha de aprendizado. Eu acho que finalmente consegui algumas fotos legais nos últimos dois dias. Estou cruzando os dedos para que estejam em foco.Minha visão para perto ficou um pouco pior aqui, por isso devem ter visto fotos ou vídeos em que eu estou usando óculos. Sinto-me abençoada por estar aqui representando nosso país e levando adiante experiências de cientistas do mundo inteiro. Todas as experiências atingiram a maior parte de seus objetivos, apesar dos inevitáveis obstáculos que se apresentam quando uma tarefa difícil está sendo levada a cabo.A comida é ótima e estou me sentindo muito bem nesse ambiente totalmente novo e diferente. Leva um tempinho para comer porque a falta de gravidade dificulta a descida da comida pelo esôfago. Ainda é um desafio constante manter-se hidratado adequadamente. Como os nossos fluidos corporais foram deslocados para a cabeça, a sensação de sede é quase inexistente.Graças a muitos de vocês que apoiaram a mim e as minhas aventuras ao longo desses anos, essa é a maior de todas. Espero que vocês possam ter sentido a energia positiva que emanávamos para todo o planeta enquanto navegávamos sobre ele.A todos, com amor, LaurelVEJA O ESPECIAL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.