Médico carioca está desaparecido na Indonésia após terremoto

Cirurgião plástico é surfista amador e passa férias no país; último contato com família foi no dia 30, por e-mail

Efe,

02 de outubro de 2009 | 19h33

O cirurgião plástico carioca Ricardo Fabrini, de 40 anos, está desaparecido na região de Padang, na Indonésia, após o terremoto que devastou a ilha de Sumatra e que, segundo a ONU, matou pelo menos 1.100 pessoas, informou nesta sexta-feira, 2, sua família. De acordo com a mãe de Ricardo, Naira Fabrini, o médico, que é surfista amador e passa férias na Indonésia, enviou um e-mail no dia 30 último cerca de quatro horas antes do terremoto, em que avisava que estava iniciando um passeio de barco.

 

Veja também:

link3 mil podem estar soterrados após tremor, diz Indonésia

mais imagens Galeria: Danos provocados pelo tremor 

 

"Seria a última parte de uma viagem que começou no início de setembro. Ele sempre entra em contato avisando onde está. O e-mail foi o último contato que fez comigo", contou a mãe do médico, que disse já ter tentado falar com o Itamaraty, sem sucesso por enquanto. Ricardo Fabrini deixou o Rio de Janeiro no último dia 2 de setembro e tinha previsto retornar ao Brasil no início de outubro.

 

No dia 30, chegou à cidade de Padang - capital da província de Sumatra Ocidental e a mais atingida pelo terremoto - para fazer um passeio de barco a ilhas vizinhas que duraria pouco mais de uma semana. Desde então não foi mais contatado.

 

Mais de 20 mil prédios de Padang e de outros seis distritos vizinhos ficaram danificados ou destruídos pelo terremoto, que abalou Sumatra às 7h15 (Brasília). De acordo com o Ministério da Saúde indonésio, o terremoto de quarta-feira passada, de 7,6 graus de magnitude na escala Richter, deixou ao menos 770 mortos e pode haver cerca de outras três mil pessoas sob escombros. A ONU estima o número de vítimas em 1.100.

Tudo o que sabemos sobre:
Indonésiaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.