Stringer/Efe
Stringer/Efe

Médico confirma que Lugo foi internado com urgência

Presidente paraguaio realizou exames após taquicardia no sábado, mas já foi liberado

AE-AP, Agência Estado

21 de outubro de 2010 | 16h24

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, que realiza um tratamento contra um câncer linfático detectado em agosto, esteve internado com urgência várias horas no sábado, 16, em um hospital privado de Assunção. A informação foi confirmada hoje por Alfredo Boccia, um de seus médicos.

Boccia explicou à imprensa que, durante a internação, Lugo fez exames de sangue. Recentemente, o líder paraguaio foi internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, por causa de uma trombose. Perto da meia-noite de sábado, o político retornou à residência oficial. Nenhum porta-voz do governo comentou o tema.

"Uma taquicardia não é problema para qualquer pessoa, mas no caso do presidente mereceu uma atenção especial porque há pouco tempo sofreu uma trombose", explicou o médico.

 

A equipe do Sírio-Libanês que o atendeu recomendou que Lugo reduza algumas de suas atividades de entretenimento, como o cooper, o jogo de vôlei e os passeios de motocicleta.

"Não foi nada grave no sábado, porque a taquicardia é uma moléstia leve, e por precaução o levamos ao Instituto Calvo para uma radiografia do tórax e uma ecografia do pescoço", afirmou o médico à Rádio Nacional.

 

"O resultado foi normal, por isso não lhe demos nenhuma medicação", acrescentou. "É um episódio entre tantos que podem ocorrer em um paciente durante quimioterapia. presidente está sem sintomas", disse o médico.

 

Em 5 de novembro, Lugo deve receber a quinta sessão de quimioterapia em Assunção. "Em dezembro será a última e em seguida ele irá ao Sírio-Libanês para uma avaliação", explicou o médico.

Suposto filho

A juíza de menores Ana Ovelar informou que só espera receber uma declaração da promotoria para emitir uma resolução sobre a demanda por filiação apresentada por Hortensia Damiana Morán, a terceira mulher que garante ter concebido um filho de Lugo.

Apesar da posição enfática da mulher sobre a suposta paternidade do chefe de Estado, três exames de DNA tiveram resultado negativo. O ex-bispo católico, de 59 anos, reconheceu como seu, em 2009, o menino Guillermo Armindo, nascido de sua relação com Viviana Carrillo, de 27 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.