Médico é acusado de abusar de pacientes durante massagens nos EUA

Arie Oren teria dito a mulheres que orgasmo 'queima 200 calorias'; ele pagou fiança de US$ 100 mil.

BBC Brasil, BBC

13 de abril de 2011 | 07h45

Um médico foi acusado por pacientes de assédio sexual nos Estados Unidos, durante sessões de massagem supostamente realizadas para queimar calorias.

As mulheres disseram a promotores que Arie Oren, 64 anos, utilizava um aparelho eletrônico semelhante a um vibrador durante as sessões, realizadas em sua clínica de controle do peso no subúrbio de Conshohocken, na Filadélfia (Pensilvânia).

As seis pacientes - todas entre 24 e 59 anos - dizem que Oren as pedia para tirar a roupa. O médico também é acusado de beijá-las e de agarrar seus seios.

Segundo uma das pacientes, o médico teria dito que "ter um orgasmo queima 200 calorias". Outra mulher diz ter deixado a clínica depois de Oren ter afirmado que a massagem seria de graça porque ela era "muito gostosa".

Outro relato indica que o acusado prometeu a uma paciente fazer um "tratamento extra-especial" para perder peso. Ele também teria dito a outra mulher: "se você precisar de um homem, eu sou um homem".

Paciente "perturbada"

Os casos teriam ocorrido entre 2008 e dezembro de 2010. Oren começou a ser investigado em setembro do ano passado, depois que uma mulher de 39 anos - "visivelmente perturbada", segundo os promotores - disse ter sido assediada sexualmente em uma sessão.

Depois disto, cinco outras mulheres acusaram o médico, dando relatos "misteriosamente similares", de acordo com a promotoria.

Oren compareceu perante um juiz na última segunda-feira. Ele pagou uma fiança de US$ 100 mil (cerca de US$ 160 mil) e sofreu oito acusações formais de violação sexual e quatro acusações de violação sexual qualificada.

O médico, que tem uma licença para praticar a medicina válida até dezembro de 2012, deverá ter uma audiência preliminar em um tribunal no próximo dia 21.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.