Médico que ajudou mais de 100 a se matar ganha condicional

Jack Kevorkian, o médico norte-americano que pode ter ajudado cerca de 130 pessoas a se matar e que está preso por um destes casos, será posto em liberdade condicional em 2007, anunciou nesta quarta-feira Leo Lalonde, porta-voz do Centro Correcional de Coldwater, no estado de Michigan.Kevorkian está cumprindo pena de 10 a 25 anos de prisão pelo assassinato em segundo grau, em 1998, de um homem que sofria de uma doença fatal.O médico, que admitiu ter ajudado cerca de 130 pacientes desesperançados a se suicidar, disse que Thomas Youk, o homem por cuja morte foi condenado, sofria de esclerose lateral amiotrófica e que seu caso tinha sido um assassinato misericordioso.Segundo relatos do advogado, Kevorkian, um patologista aposentado, de 78 anos, sofre de uma doença e tem menos de um ano de vida.A governadora de Michigan, Jennifer Granholm, ordenou uma avaliação médica de Kevorkian, mas não comutou a pena. O porta-voz da penitenciária disse que Kevorkian tinha chances de ganhar liberdade condicional a partir do próximo ano e que a condição essencial desua libertação é que não se envolva em outros suicídios assistidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.