Abbas Momani/AFP
Abbas Momani/AFP

Médico que investiga morte de Arafat diz que líder morreu envenenado

Abdullah Al Bashir, contudo, não apresentou provas que confirmem sua constatação

Efe,

13 de julho de 2012 | 19h09

RAMALLAH - O histórico líder palestino Yasser Arafat morreu envenenado por uma substância tóxica desconhecida, disse na quinta-feira o diretor do comitê médico que investiga as causas de seu falecimento, Abdullah Al Bashir. O médico, no entanto, não apresentou provas que confirmem sua constatação.

Veja também:

 linkViúva de Arafat abrirá processo sobre a morte do marido 

 linkTunísia convoca reunião árabe para discutir morte de Arafat

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Segundo Bashir, os relatórios médicos divulgados até então não revelam o motivo da morte. O jordaniano afirmou também que sem exumar o cadáver é quase impossível confirmar o envenenamento pela substância radioativa letal polônio 210, como sugere uma recente investigação promovida pela rede de televisão "Al Jazeera".

"O relatório francês dizia que os especialistas não foram capazes de encontrar uma razão ou doença conhecida que possa explicar as causas da morte", disse Bashir. O diretor explicou, além disso, que os médicos do hospital de Bercy (nas proximidades de Paris), onde Arafat morreu em 2004, rejeitaram fornecer mais informações sobre o caso, de acordo com pedido feito pelo comitê médico criado por causa dos recentes fatos revelados pela "Al Jazeera", informou a agência de notícias palestina "Maan".

O médico jordaniano, que apareceu na mídia ao lado de vários dirigentes palestinos, mostrou-se partidário da realização de uma investigação para esclarecer a morte de Arafat, que contará com a participação de uma equipe suíça quando a exumação do corpo for autorizada. A iniciativa é apoiada pela viúva do histórico líder, Suha Arafat.

O porta-voz presidencial palestino, Nabil Abu Rudeina, afirmou em entrevista coletiva que "não haverá obstáculos" na "busca pela verdade" sobre a morte de Arafat, cujos restos estão em Muqata de Ramala, sede do Governo da ANP (Autoridade Nacional Palestina).

Na terça-feira passada, uma fonte oficial palestina afirmou, sob condição de anonimato, que vários países, entre eles Estados Unidos e França, pressionavam a ANP para não investigar a morte do dirigente palestino.

Bashir permanecerá três dias em Ramala, onde se reunirá com líderes palestinos e examinará as informações sobre o caso.

Durante a investigação da "Al Jazeera", o Instituto de Radiação Física de Lausanne (Suíça) encontrou polônio 210 em alguns objetos pessoais de Arafat, como roupas, escova de dentes e sua emblemática "kufiya" (lenço palestino). Israel disse que as alegações de morte por envenenamento são "ridículas". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.