Médicos confirmam que líder da oposição na Ucrânia foi envenenado

A misteriosa doença do líder da oposição ucraniana e candidato à presidência Viktor Yushchenko foi causada por envenenamento por dioxina, administrada intencionalmente, disseram hoje os médicos do político. "Não há dúvidas de que a doença do senhor Yushchenko foi causada por envenenamento com dioxina", disse Michael Zimpfer, diretor da clínica onde Yushchenko foi examinado em Viena.Zimpfer disse que sangue e tecidos de Yushchenko continham um concentração de dioxina em uma proporção mil vezes maior que o nível normal. "Seria muito fácil colocar essa quantidade em uma sopa", declarou Zimpfer, assinalando que a dioxina pode ser ingerida oralmente. "A investigação penal é nossa responsabilidade, mas existe a suspeita da participação de uma terceira pessoa".Exames realizados durante as últimas 24 horas ofereceram evidências conclusivas do envenenamento, disse Zimpfer. Quando Yushchenko foi atendido inicialmente pelos médicosaustríacos, se falava em "estado muito grave", mas não em "risco de morte". Agora, seu estado é satisfatório, e seu nível de dioxina já voltou à normalidade. Yushchenko acusou as autoridades ucranianas de tentar envenená-lo antes do segundo turno das eleições para a presidência, em novembro. A Corte Suprema bloqueou o resultado depois que Yushchenko perdeu para o primeiro-ministro Viktor Yanukovych, e uma nova eleição foi marcada para 26 de dezembro.O candidato da oposição se sentiu doente inicialmente em setembro e foi hospitalizado em Viena. Ele retomou a campanha depois, mesmo com o rosto desfigurado e com marcas parecidas com as deixadas pela varíola. Yushchenko voltou ao hospital no final de setembro para receber tratamento e voltou a ser hospitalizada pela terceira vez sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.