Médicos indianos protestam contra cotas para castas baixas

A polícia usou cassetetes, gás lacrimogêneo, e canhões de água, nesta quinta-feira, para dispersar centenas de médicos que se opõem ao plano de ação afirmativa do governo para que as castas mais baixas da sociedade indiana tenham acesso às instituições de ensino do governo, principalmente de medicina e engenharia.Vários manifestantes ficaram feridos em Nova Délhi, e na cidade de Calcutá, nos confrontos com a polícia, segundo a agência de notícias da Índia. Cinco pessoas foram presas durante os protestos na cidade de Bombai, centro financeiro e de entretenimento. Outros protestos aconteceram nas cidades de Indore, Kapure Kolkata. Médicos em Nova Délhi e em outras cidades tiraram o dia de folga para mostrar sua indignação em relação ao plano, que deve reservar 27% das vagas das escolas para as castas mais baixas, segundo o Dr. Arnab Pal, secretário-geral da Associação de Médicos Residentes do Instituto de Ciências Médicas da Índia em Nova Délhi. O plano afirmativo "não ira servir aos oprimidos, não irá ajudá-los", afirmou o médico. "Nós preferimos que a ação afirmativa seja no âmbito da base da economia", explicou. "Discriminação de casta é discriminação de casta. Se você diz que uma pessoa de uma casta baixa tem que ter um assento, você está dizendo que uma pessoa de uma casta mais alta não pode tê-la." O protesto foi o segundo na capital da Índia desde que o gabinete do premiê Manmohan Singh aprovou o plano na segunda-feira. Na sexta-feira o plano será analisado pelo parlamento. Apoiadores da iniciativa do governo dizem que essa política irá ajudar a desfazer séculos de opressão e discriminação.O hinduísmo divide as pessoas em castas que determinam as suas vidas em sociedade, no que diz respeito a possibilidades de educação e trabalho e poder econômico.Apesar do sistema ser considerado ilegal pelo governo atualmente, a discriminação continua sendo comum. Críticos dizem que as castas mais baixas deveriam ser fortalecidas através de educação, em vez de aumentar o número de vagas de trabalho e estudo, pois muitos cargos e cadeiras em escolas já reservadas para castas permanecem vazias. Os 27% dos assentos a serem reservados nas universidades federais de medicina, engenharia e outras universidades se somariam a outros 22.5% dos assentos já reservados nessas instituições aos intocáveis. Os intocáveis constituem o nível social mais baixo da Índia, não sendo nem considerados uma casta. Há séculos realizam apenas trabalhos considerados impuros, como o trabalho com o couro e limpeza de latrinas, e são vítimas de violência gratuita por parte dos pertencentes às outras castas, que permanecem impunes. De acordo com a religião hindu, cada casta teria saído de uma parte do corpo do deus Shiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.