Médicos Sem Fronteiras decidem sair da Somália

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou nesta quarta-feira que está deixando a Somália após 22 anos de trabalho no país africano. A decisão foi tomada devido a ataques contra os membros do grupo.

AE, Agência Estado

14 de agosto de 2013 | 10h08

Segundo a organização, a medida é resultado "ataques extremos contra a sua equipe em um ambiente onde grupos armados e líderes civis apoiam, toleram ou aceitam cada vez mais assassinatos, ataques e sequestros de trabalhadores de assistência humanitária".

A decisão sobre a saída da Somália ocorre cerca de um mês após a libertação de duas integrantes espanholas do grupo que foram sequestradas em um campo de refugiados no Quênia e foram mantidas cativas por quase dois anos. O grupo disse que a retirada deverá eliminar a ajudada humanitária dada a centenas de milhares de civis na Somália. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
somáliamédicos sem fronteiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.