"Médicos Sem Fronteiras" deixa o Afeganistão

A organização humanitária Médicos Sem Fronteiras fechou hoje programas de ajuda médica em duas cidades do Afeganistão, Kandahar e Mazar-i-Sharif, depois que grupos armados roubaram remédios, equipamentos e veículos pertencentes ao grupo. A pilhagem foi a última de uma série de ataques a organizações e ajuda que ainda operam no Afeganistão para ajudar pessoas necessitadas. "Esses roubos afetam diretamente a habilidade de agências humanitárias de ajudar uma população civil desesperada", afirmou Sidney Jones, do Human Rights Watch (HRW), um grupo de direitos humanos com base em Nova York. A decisão dos Médicos Sem Fronteiras foi anunciada no mesmo dia em que o embaixador do Taleban no Paquistão, mulá Abdul Salam Zaeef, fez um apelo urgente a grupos estrangeiros para que enviem comida e medicamentos para o Afeganistão. O HRW e outras agências de ajuda culpam a milícia do Taleban e pessoas aparentemente ligadas a Osama bin Laden por alguns dos ataques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.