Médicos Sem Fronteiras suspende operações no Afeganistão

O grupo Médicos Sem Fronteiras suspendeu suas operações no Afeganistão, um dia depois de cinco de seus agentes humanitários terem morrido em uma emboscada reivindicada pelo grupo fundamentalista islâmico Taleban. O ataque, perpetrado na província afegã de Badghis, foi o mais letal contra agentes humanitários desde a queda do regime Taleban, no fim de 2001, e coloca dúvidas sobre a capacidade do governo local e das agências internacionais para promover as eleições gerais previstas para setembro.Três agentes humanitários (um norueguês, um holandês e uma belga) morreram ao lado de dois afegãos (um intérprete e um motorista) quando militantes islâmicos em uma motocicleta atacaram o veículo no qual viajavam. "Pelo momento, nossas atividades estão suspensas em todo o país", disse Vicky Hawkins, porta-voz do grupo, durante entrevista coletiva concedida em Cabul."Nas próximas semanas, nós analisaremos profundamente esse incidente, mas atualmente nossa prioridade é cuidar das pessoas mais afetadas por essa tragédia." O Médicos Sem Fronteiras emprega 80 estrangeiros e 1.400 afegãos em 12 províncias deste país. A suspensão reflete o aumento imediato dos temores com relação à disseminação de uma insurgência que já impôs sérias limitações às operações das agências humanitárias estrangeiras no sul e no leste do Afeganistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.