Medidas de Ortega irritam ex-aliados

Intelectuais que o apoiaram nos anos 80 denunciam autoritarismo

Rory Carroll, THE GUARDIAN, O Estadao de S.Paulo

25 de junho de 2008 | 00h00

Celebridades e intelectuais que apoiaram a revolução sandinista nos anos 80 acusam o governo do presidente nicaragüense, Daniel Ortega, de semear a discórdia.Noam Chomsky, Salman Rushdie, Bianca Jagger e outros antigos simpatizantes de Ortega juntaram-se ao coro de alertas com medidas adotadas recentemente. Os sandinistas retornaram ao poder no ano passado, ao vencer uma oposição dividida, encerrando 17 anos ostracismo político. Mas o governo tem tomado decisões controvertidas, reacendendo suspeitas, que remontam à década de 80, quanto ao compromisso de Ortega com a democracia. Doadores internacionais ameaçam deixar de financiar o que eles dizem ser um governo autoritário e temerário. Uma séria disputa irrompeu após o organismo eleitoral ter barrado dois partidos de oposição nas eleições municipais de novembro, alegando que perderam o prazo para indicar representantes em todos os distritos eleitorais. Dora María Téllez, líder do Movimento de Renovação Sandinista (MRS), um grupo dissidente, fez uma greve de fome de 12 dias para protestar contra a "ditadura de Ortega", seu antigo camarada. Dora, legendária guerrilheira sandinista que liderou ataques audaciosos contra a ditadura de Anastasio Somoza nos anos 70, é venerada por muita gente da esquerda.Celebridades e intelectuais divulgaram uma carta aberta para defendê-la: "A representação política é um direito. É um direito protestar contra mecanismos que fecham esse espaço. Dora representa um amplo setor da sociedade nicaragüense que deveria ser ouvido." A carta foi assinada por Chomsky, Rushdie e Bianca Jagger, além do escritor chileno Ariel Dorfman e o uruguaio Eduardo Galeano. A carta, publicada na semana passada, quando Dora encerrou a greve de fome a conselho médico, não teve resposta do governo. O gabinete de Rosario Murillo, mulher de Ortega e sua porta-voz, não respondeu aos apelos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.