REUTERS/Adriana Loureiro
REUTERS/Adriana Loureiro

Medidas econômicas de Maduro afetaram ao menos 10 empresas de comunicação, diz sindicato

Em alguns casos, companhias abandonaram edições impressa, demitiram funcionários ou sugeriram que profissionais recorram ao subsídio salarial prometido pelo Estado, de acordo com relatos do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa

O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 14h49

CARACAS - O Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP, em espanhol) da Venezuela afirmou nesta quinta-feira, 30, que os ajustes econômicos promovidos pelo presidente Nicolás Maduro "ameaçam aniquilar os veículos de comunicação" e disse que ao menos 10 empresas foram afetadas pelas medidas.

"Ao menos 10 empresas de comunicação anunciaram seu desaparecimento, mudança de status ou demissão de pessoal. Outros insistem em forçar seus trabalhadores a receber com a carteira da pátria", disse no Twitter o SNTP.

O sindicato iniciou uma campanha online com a hashtag #NoHayMediosSoberanos (Não há meios soberanos, em tradução livre) para documentar os efeitos da reforma econômica nas empresas de comunicação.

Neste sentido, detalhou que em razão do aumento do salário mínimo em até 35 vezes que entrará em vigor em setembro, a direção do diário El Universal - um dos mais tradicionais do país - "anunciou que não poderá pagar os novos salários".

"Em reunião em 22 de agosto, pediu (a seus funcionários) que usem a carteira da pátria para que seus salários sejam subsidiados (pelo governo) por 90 dias", completou o sindicato, se referindo à promessa feita por Maduro de que o governo completaria o pagamento das empresas por três meses.

O governo disse que pagará a diferencia da folha de pagamento através deste cartão para aqueles que o possuem, mas também através do sistema de previdência social.

O SNTP também relatou que o Diário de los Andes, que deixou de circular em 17 de agosto por falta de papel, "estuda as medidas econômicas para determinar se conseguirá manter ou não sua operação apenas na internet".

Em outras mensagens, o sindicato também disse que publicações regionais do Estado de Lara "desligaram suas rotativas" enquanto que na região de Portuguesa o jornal Última Hora, que ainda atuava na internet apesar de também não ter mais edição impressa por falta de papel, interromperá seus esforços em razão dos ajustes econômicos.

"Em 27 de agosto, o Diario Visión Apureña (de Apure) anunciou que deixará de ser impresso por falta de matéria prima e também por não poder assumir as medidas econômicas do Executivo. Este meio de comunicação tinha mudado (sua periodicidade) para semanal em maio", diz outra mensagem na rede social.

Já no Estado de Carabobo, a administração dos meios Notitarde e Noticiero 52 informou que demitirá todos seus funcionários.

Os funcionários do jornal Las Noticias de Cojedes (centro) também receberam notícias semelhantes, embora "funcionários da Inspetoria do Trabalho tenham sugerido que os funcionários se registrassem no sistema da Carteira da Pátria e solicitassem amparo (do governo)".

Por fim, o SNTP destacou que a "administração da rádio news News 105.3 FM e da Nueva Prensa de Guayana anunciou que não poderá continuar funcionando por falta de insumos e demitirá pelo menos 23 dos 40 trabalhadores da folha de pagamento da empresa". / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.