Medo de ponte desabar desatou tumulto que matou 378 no Camboja

Relatório afirma que participantes de festival se assustaram com balanço da estrutura

Associated Press

24 de novembro de 2010 | 09h55

PHNOM PENH - As investigações sobre o tumulto da segunda-feira no Camboja que deixou 378 mortos e centenas de feridos concluiu que o pânico tomou conta dos participantes de um festival depois que a ponte em que a multidão estava começou a balançar.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos: veja imagens da tragédia

 

O canal de televisão Bayon, controlado pelo governo, reportou nesta quarta-feira, 24, que o comitê destacado para investigar a tragédia concluiu que várias das vítimas eram provenientes das regiões rurais do país e não sabiam se era normal ou não uma estrutura como uma ponte balançar por conta do peso. Por conta do medo de que a ponte fosse desabar, essas pessoas teriam começado o tumulto, segundo os inspetores.

 

A reportagem afirmou que houve 750 vítimas no incidente, das quais 350 morreram. O número é menor que os 378 mortos e 755 feridos anunciados na terça-feira. Sobre a diferença, o ministro da Informação, Khieu Kanharith, disse que o número oficial de mortos e feridos é de 351 e 395 respectivamente.

 

O tumulto ocorreu quando milhares de pessoas que assistiam a um concerto gratuito em uma ilha no rio Bassac, na capital Phnom Penh, entraram em pânico. As autoridades estimam que até 2 milhões de pessoas foram à cidade para o Festival da Água, que dura três dias.

 

Segundo o relatório, havia entre 7 mil e 8 mil pessoas sobre a ponte no momento em que começou o tumulto, o que resultaria em um peso de 350 a 400 toneladas. Ainda de acordo com os inspetores, muitas testemunhas disseram ter ouvido pessoas gritando que a ponte desabaria, o que desatou a confusão.

 

Testemunhas criticaram as autoridades por bloquear uma segunda ponte que cruza o rio, o que teria contribuído para a superlotação. As vítimas também reclamam da demora para que o serviço de socorro fosse acionado.

 

O primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, classificou o tumulto como a pior tragédia do país desde o governo comunista do Khmer Vermelho, que deixou cerca de 1,7 milhão de mortos no fim da década de 1970. Ele declarou a quinta-feira como dia de luto.

Tudo o que sabemos sobre:
Cambojafestivaltragédia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.