Medo domina eleições no Nepal

Os colégios eleitorais do Nepal abriram nesta quarta-feira para a realização de eleições municipais, as primeiras em sete anos neste país do sul da Ásia. É esperada baixa participação popular pelo temor de violência por parte da guerrilha maoísta e também devido ao boicote da oposição.As eleições acontecem um ano depois de o rei Gyanendra assumir o poder absoluto no país, o que colocou seu regime em rota de colisão com as forças da oposição. Segundo a Comissão Eleitoral do Nepal, quase dois milhões de cidadãos, ou 13% do eleitorado, poderão votar para escolher seus representantes em 58 municípios pertencentes a 43 dos 75 distritos do país.Estão em jogo 4.146 cargos de representante municipal, mas só se apresentaram 1.652 candidatos para um total de 618 postos devido à ameaça da guerrilha maoísta.As eleições locais deveriam acontecer em 58 municípios do Nepal, mas acontecerão apenas em 36 deles porque nos 22 restantes não há candidatos, ou porque só há um aspirante, que será o eleito.O pleito foi boicotado pelos sete partidos da oposição, que consideram o regime de Gyanendra inconstitucional. Na véspera das eleições, os partidos e a guerrilha maoísta voltaram a alertar a população para que não vote.Os rebeldes maoístas ameaçam com "medidas físicas" contra qualquer um envolvido nas eleições. Durante a campanha, foram atacados dois candidatos e outro acabou baleado, além de ter sido declarada uma greve geral que persiste até hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.