AP
AP

Medo e solidariedade na rota de destruição do furacão Dorian

Tempestade passou pelas Bahamas com ventos de mais de 300 km/h e ameaça a costa dos Estados Unidos

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2019 | 12h07

MIAMI, EUA  - Norma Lemon, dona de um restaurante com tema do Caribe na costa da Carolina do Sul, conhece bem o poder de um furacão para destruir propriedades e vidas.

Ela consegue se lembrar do som característico de telhados sendo arrancados pelos ventos do furacão Hugo, que atingiu Charleston em 1989. Ela passou quase três meses reformando seu restaurante,  Island Breeze, depois que foi inundado pelo furacão Irma, em 2017.

Agora, ela teme a ameaça brutal trazida pelo furacão Dorian, uma tempestade de categoria 5 agitando um caminho indeterminado no Atlântico, a cerca de 800 quilômetros a sudeste dela. Ela sabe que milhões de pessoas que vivem no caminho direto de Dorian ou dentro de seu vasto cone de movimento, estão com medo.

"Estamos no mesmo barco, praticamente", disse Lemon, 57 anos. "Eles estão dizendo que haverá ventos de 300km/h. Você está pensando em pessoas nas Bahamas e em outros lugares que realmente entendem isso. E então você acha que está chegando até você.”

Furacão Dorian passou pelas Bahamas a 300 km/h

O Centro Nacional de Furacões disse no domingo,1, que o Dorian ainda está crescendo e se movendo para o oeste em direção à costa da Flórida, com ventos que se estendiam até 65 quilômetros além do seu centro.

A tempestade atingiu as Bahamas no domingo, com rajadas de vento acima de 300 km/h- a tempestade mais forte já registrada a atingir o arquipélago.

Se mantiver essas velocidades do vento e atingir a Flórida, o furacão Dorian seria o mais poderoso ciclone a atingir o Estado desde o devastador furacão do Dia do Trabalho de 1935. Mas ainda não estava claro se o olho da tempestade chegaria a terra na Flórida ou em qualquer outro lugar. 

Os possíveis caminhos do Dorian eram tão amplos quanto instáveis. Depois de se aproximar da costa da Flórida na segunda-feira, espera-se que a tempestade vire para o norte, mas ainda não há respostas para perguntas sobre quando ele daria a volta e se abraçaria a costa atlântica ou giraria para longe da costa.

Ao menos três estados americanos decretaram estado de emergência, e as precauções de longo prazo se estendem muito mais ao norte ao longo da costa, com autoridades da Geórgia, das Carolinas do Norte e do Sul, e da Virgínia pedindo aos moradores que se preparem para uma possível catástrofe nos próximos dias.

Medo domina moradores de zona de furacões

Era uma sensação familiar de pavor para uma região onde os moradores marcam suas vidas pelos furacões aos quais sobreviveram. Seus relacionamentos com tempestades, com seu poder de matar e destruir, são construídos principalmente sobre o medo.

Aqueles que vivem com a ameaça constante de furacões, seja em pequenas ilhas no Caribe ou ao longo da costa americana, compartilham os rituais de arrumar as malas e fugir quando puderem.

A repetição, estação após estação, pode ser exaustiva. "As estações de furacões são a sua idade por aqui", disse Eric Blake, especialista em furacões no National Hurricane Center, no oeste de Miami, que acompanha tempestades há 20 anos. "Esse tipo de coisa envelhece as pessoas."

Isso não fica necessariamente mais fácil com o tempo. "Estou quase chorando", disse Lemon, que teve de abandonar sua casa três vezes nos últimos anos. "Parece que aqui vamos viver isso".

Deixando tudo para trás

O restaurante Lemon, um lugar descontraído onde o reggae toca constantemente, tem vista para uma ilha densamente florestada na Mosquito Beach, entre Charleston e Folly Beach.

O cardápio enfatiza a harmonia cultural entre o Caribe e este trecho da costa da Carolina. O cardápio de Lemon, preparado com a contribuição de seu noivo, Norman Khouri, que vem de Ocho Rios, Jamaica, oferece rabada e carne de porco, bem como frango frito.

Lemon disse que não queria deixar seu restaurante novamente. Mas ela sabia que talvez não tivesse escolha a não ser abandoná-lo em breve. “Eu acho que nem nos importamos para onde vamos, porque estamos deixando esse lugar precioso que amamos tanto para trás", disse ela.

Os moradores de zonas de furacões estão presos à uma realidade sombria: quando os furacões passam longe de seu território, ainda assim podem representar a ruína para os vizinhos.

Traumatizado com o Maria, Porto Rico escapou do Dorian

Os porto-riquenhos sentiram alívio coletivo quando Dorian, que ainda não era um furacão, se moveu para o leste da ilha na semana passada e atingiu sua primeira terra nas Ilhas Virgens, em vez do golpe direto previsto em Porto Rico.

No domingo, porém, alguns expressaram temor de que o povo das Bahamas sofra uma destruição mortal semelhante à do furacão Maria que destruiu Porto Rico há dois anos.

“Tivemos bairros aqui sem energia por oito ou nove meses”, disse Luis Raúl Sánchez, vice-prefeito de Humacao, P.R., perto de onde o Furacão Maria tocou em 2017. “Não tínhamos comida fresca. Sem comunicação. Sabemos que as Bahamas estão experimentando algo que pode ser muito difícil. ”

Os moradores das Ilhas Abaco sentiram a ira da tempestade no domingo de manhã, enquanto os moradores procuravam abrigos ou se refugiavam nas igrejas.

As ondas provocadas pela tempestade chegaram a 9 metros, juntamente com as inundações provocadas pela chuva, que devastaram Marsh Harbour, a principal cidade das Ilhas Abaco.

O primeiro-ministro Hubert Minnis pediu aos moradores da ilha de Grand Bahama, os próximos no caminho da tempestade, que se mudem para um local mais seguro em Freeport, a principal cidade.

"Como médico, fui treinado para suportar muitas coisas - mas nunca nada perto disso", disse Minnis a repórteres.

 

Redes de caridade contra os furacões

A zona do furacão é conectada por redes de caridade. Em Miami, no domingo, Valencia Gunder, diretora executiva não remunerada da Smile Trust, um grupo sem fins lucrativos, disse que gastou US$ 15.000 na compra de 11 paletes de água, meia dúzia de geradores, churrasqueiras, arroz, frango e cachorro-quente, caso ela precisasse iniciar uma operação de alimentação em Miami.

Se Miami for poupada, Gunder disse que fará como fez no ano passado, quando juntou alguns carros e mudou sua operação para o norte da Flórida, onde o furacão Michael devastou a região.

Ela já decidiu também ajudar as Bahamas. Afinal, ela disse, grande parte de Miami foi construída por trabalhadores das Bahamas.

E a região é mantida em funcionamento após tempestades por pessoas como Stephen Neville, um funcionário de manutenção de linhas de energia. 

"Quando ouvimos sobre a chegada de uma tempestade, estamos andando pelo quintal, cumprimentando um ao outro, e dizendo: 'Vamos lá!'", disse Neville, que trabalha para a maior concessionária da Flórida, a Florida Power and Light. “Todo mundo está empolgado. Somos como cães em uma gaiola, prontos para atacar.

A zona de furacões é conectada pela mistura de pessoas que fugiram e por pessoas que nunca voltaram às cidades natais atingidas. Existem porto-riquenhos na Flórida.

Existem moradores de Nova Orleans na Geórgia. Há milhares de pessoas que querem sair quando uma tempestade como Dorian se aproxima e pessoas que não podem - ou não querem.

Drama e solidariedade em meio à tempestade

Em Cocoa, na Flórida, no domingo, Renora Johnson, de 69 anos, conversou com amigos e familiares fora de sua casa, enquanto as nuvens passavam por cima e o vento assobiava entre as palmeiras em seu quintal sombrio.

O Condado de Brevard ordenou uma retirada obrigatória às 8h da segunda-feira para os residentes na praia de Cocoa, mas não para a maioria dos residentes do interior como ela.

Quase dois anos atrás, ela pensou em abandonar a região e ir morar com sua família na Geórgia, durante o furacão Irma. Mas isso parecia demais. Ela conseguiu atravessar aquela tempestade, com a água entrando pelas paredes dos quartos, mas temia perder a energia. Uma das filhas de Renora Johnson está parcialmente paralisada, e usa uma cama elétrica.

Renora Johnson reuniu água engarrafada, enlatados e lanternas. Ela encheu vários sacos de areia de uma pilha que a cidade jogou a alguns quarteirões de distância. Ambos os vizinhos a ajudaram a subir as janelas.

"Eu praticamente recebi ajuda deste lado e daquele lado", disse ela, apontando para as casas de tijolos que contornavam as suas. "Agradeço a Deus pelos bons vizinhos."

Na mira dos furacões há três gerações

Há outros cujas histórias de família são contadas nos capítulos de furacões. Nancy Sikes-Kline, 62 anos, é nativa da Flórida e comissária da cidade em St. Augustine, na Flórida. Seu pai nasceu em West Palm Beach, na Flórida, um ano após o furioso furacão de 1928 que matou cerca de 2.500 pessoas. 

Sikes-Kline lembra-se quando os olhos do furacão Donna passaram pela casa de pensão de sua família em Lakeland, na Flórida, em 1960. Em 2016, o furacão Matthew inundou sua casa de um andar. No ano seguinte, o furacão Irma acabou com tudo o que restava em seu terreno, um pequeno galpão.

Hoje, ela e sua família têm uma casa nova e elevada e um plano para retirada na terça-feira, se necessário. Ainda assim, ela estava nervosa no domingo, como tantas outras famílias, perto e longe. Ela teria ido ao serviço de socorro na igreja, mas os serviços foram cancelados. "Então nós não fomos à igreja", disse ela. "Fomos ao supermercado comprar lanternas.”/ Washington Post

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.