Michael Sohn/AP
Michael Sohn/AP

Medvedev defende libertação da banda Pussy Riot

Primeiro-ministro da Rússia considera 'contraproducente' manter as integrantes na prisão

AE, Agência Estado

12 de setembro de 2012 | 13h25

MOSCOU - O primeiro-ministro da Rússia, Dmitry Medvedev, defendeu nesta quarta-feira, 12, a libertação de três integrantes da banda punk Pussy Riot. Segundo ele, seria "contraproducente" mantê-las na prisão por mais tempo.

Veja também:

link Banda Pussy Riot deveria ter sido vigiada, diz presidente russo

link Duas integrantes da banda Pussy Riot deixam a Rússia

Ainda não está claro, no entanto, qual o impacto que a declaração de Medvedev pode vir a ter sobre o caso. As integrantes da banda já estão presas há cinco meses. Elas foram condenadas em agosto a dois anos de reclusão por "hooliganismo motivado por ódio religioso".

As três jovens foram presas depois de uma performance na maior catedral ortodoxa de Moscou na qual pediram à Virgem Maria que "salve a Rússia de Vladimir Putin". A detenção das integrantes da banda desencadeou protestos na Rússia e em outras partes do mundo.

Mais cedo, a prefeitura de Moscou autorizou a realização, no sábado, de um protesto contra Putin.

Com Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.