Medvedev diz que frota aérea russa deve ser reduzida

O presidente russo Dmitry Medvedev pediu mudanças imediatas na indústria da aviação do país, incluindo uma forte redução no número de empresas aéreas, no momento em que o país está de luto pela morte de 43 pessoas e acabou com um importante time de hóquei no gelo.

AE, Agência Estado

08 Setembro 2011 | 12h55

O acidente da quarta-feira matou 36 jogadores, técnicos e outros integrantes da equipe técnica do Lokomotiv Yaroslavl, atraindo a atenção para as condições ruins dos aviões na Rússia e em outras ex-repúblicas soviéticas.

Segundo especialistas, os problemas estão concentrados em aviões velhos, fraco controle governamental, mau treinamento dos pilotos e uma mentalidade de corte de custos.

Os investigadores não conseguiram ainda dizer o que causou a queda do jato Yak-42 nas margens do rio Volga logo após decolar de Yaroslavl, 240 quilômetros a nordeste de Moscou. Equipes de resgate trabalhavam nesta quinta-feira para levantar a cauda da aeronave, local onde ficam as gravações de bordo do avião.

O avião caiu no dia da abertura de um fórum internacional que deveria mostrar Yaroslavl como uma cidade russa moderna e vibrante. Medvedev depositou flores no local do acidente nesta quinta-feira, reuniu-se com autoridades e mais tarde abriu seu discurso no fórum pedindo um momento de silêncio em homenagem às vítimas. "O número de companhias aéreas deve ser reduzido radicalmente e é necessário fazer isso no menor tempo possível", disse ele em declarações mostradas pela televisão russa.

Não está claro que medidas o governo pode tomar para reduzir o número de empresas, muitas das quais são companhias pequenas e regionais com incerta saúde financeira. O ministro dos Transportes Igor Levitin disse a Medvedev que há cerca de 130 empresas aéreas em toda a Rússia, mas 85% dos passageiros são transportados por apenas 10 companhias.

O avião acidentado foi construído em 1993 e uma de suas três turbinas foi substituída um mês atrás, revelou o vice-ministro dos Transportes Valery Okulov aos meios de comunicação russos. Não está claro se uma falha técnica provocou a queda, mas parece ter tentado ganhar altitude e atingiu uma torre de sinalização antes do acidente.

Okulov disse que as autoridades de transporte federais estudam a possibilidade de interromper os voos dos 57 Yak-42 que ainda estão em serviço, informou a agência de notícias RIA Novosti. Os dois únicos sobreviventes do acidente estão em estado grave e foram enviados para Moscou, informaram agências de notícias russas. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Rússia avião acidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.