Medvedev nega que Rússia caminhe para o isolamento

O presidente russo, Dmitry Medvedev, afirmou hoje que a Rússia não se curvará à pressão ocidental nem ficará isolada após a guerra com a Geórgia, ocorrida no mês passado. Medvedev rebateu as declarações da secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, que ontem disse que Moscou caminha "para o isolamento e para a irrelevância." Medvedev também negou que a Rússia caminhe em direção ao autoritarismo. O presidente negou qualquer comparação com a "cortina de ferro" da era soviética, dizendo que não havia sentido em voltar ao passado."Nós fortaleceremos continuamente nossa segurança nacional, modernizaremos o setor militar e aumentaremos nossa capacidade de defesa para um nível adequado", disse Medvedev. Também hoje, os parlamentares russos aprovaram preliminarmente o orçamento do país para 2009, que prevê um aumento de 25% nos gastos com defesa. A forte subida ocorre um mês após a breve guerra com a Geórgia. A previsão de gastos no setor subiu de cerca de US$ 40 bilhões para perto de US$ 50 bilhões.As forças russas derrotaram as georgianas com facilidade e em seguida tomaram posições no território vizinho. Porém, para analistas militares, ficaram evidentes alguns problemas, como a falta de armas de precisão e de movimentação por satélite. A Rússia aumentou bastante seus gastos com defesa nos últimos oito anos. Mas esse gasto é ainda tímido comparado ao dos Estados Unidos, estimado em US$ 480 bilhões para este ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.