Medvedev pede ao Irã que demonstre caráter pacífico do programa nuclear

Ahmadinejad volta a dizer que país só vai negociar 'em bases justas e de respeito mútuo'

estadão.com.br

18 de novembro de 2010 | 12h39

Presidentes não discutiram assuntos seníveis, segundo o Kremlin.

 

BAKU - O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, reiterou ao seu homólogo iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a necessidade de o Irã demonstrar o caráter pacífico de seu programa nuclear, segundo informações transmitidas pelo Kremlin nesta quinta-feira, 18.

 

Veja também:

linkAhmadinejad: Potências não deveriam ameaçar Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

 

"O presidente destacou a importância do caráter pacífico na continuação do programa nuclear iraniano", disse o conselheiro diplomático de Medvedev, Sergei Prikhodko. O presidente russo e Ahmadinejad se encontraram em Baku, capital do Azerbaijão.

 

A reunião ocorreu a portas fechadas, mas o Kremlin indicou que "os presidentes tiveram conversas francas e não tocaram em assuntos mais sensíveis". "O presidente russo apenas fez suas considerações a respeito da decisão do Conselho de Segurança da ONU", disse Prikhodko, em alusão às sanções.

 

Segundo a o governo, "foram abordados assuntos relativos à necessidade do desenvolvimento das relações com o Irã". "A Rússia está interessada em promover as relações econômicas e comerciais e de outras áreas não afetadas pela resolução do Conselho de Segurança da ONU", informou Prikhodko.

 

Antes da reunião, Ahmadinejad reafirmou a disposição do Irã em dialogar com o 5+1 - grupo de potências que discute o programa nuclear iraniano - apenas sobre "bases justas e de respeito mútuo". "Devido a sua moral exploratória, alguns membros desse grupo negociador tentam tomar vantagem das conversas", disse.

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

 

Com informações das agências Associated Press e Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.