Medvedev pede ''mais do que foto'' com Obama

EUA enviam grupo de veteranos da diplomacia à Rússia

EFE E AP, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

O presidente russo, Dmitri Medvedev, declarou ontem que pretende mais do que simplesmente sair numa foto ao lado do presidente dos EUA, Barack Obama, no primeiro encontro entre eles, em Londres, no dia 1º. "Espero que não seja somente um encontro para nos conhecermos, mas uma troca de opiniões sobre toda a agenda bilateral e assuntos da atualidade", disse Medvedev.Numa demonstração da disposição de melhorar os laços com Moscou - abalados principalmente após o breve confronto da Rússia com a Geórgia, em agosto -, Obama enviou ao país veteranos pesos pesados da diplomacia americana, como os ex-secretários de Estado Henry Kissinger, James Baker e George Schultz, além de ex-secretários como William Perry (Defesa) e James Rubin (Tesouro). A missão do grupo é preparar a reunião entre os presidentes e a primeira visita de Obama a Moscou, em maio ou junho.Medvedev reuniu-se ontem com os americanos. Rússia e EUA mantêm grande expectativa na primeira reunião, quando esperam melhorar as relações, abaladas durante o governo de George W. Bush. Além da questão da Geórgia, os russos resistem aos planos americanos de instalar um escudo antimísseis na Polônia e na República Checa, perto da fronteira russa.Medvedev elogiou a intenção de Obama de "reiniciar" as relações bilaterais e expressou seu desejo de superar as "dificuldades da etapa anterior e melhorar substancialmente os laços entre os dois países"."Nos últimos tempos, acumularam-se muitos temas que devemos abordar, além da agenda tradicional, e, por isso, precisamos trocar opiniões sobre os assuntos mais complicados", disse Medvedev, segundo a agência Interfax. "Agrada-me informá-lo que nossas diferenças não são insuperáveis e os pontos em que estamos de acordo são bastante consideráveis", disse Kissinger, político que, durante a Guerra Fria, desenhou a estratégia dos EUA para a então União Soviética. Pelo lado russo, o "grupo de notáveis", que serve de interlocutor dos americanos, é liderado pelo ex-primeiro-ministro Yevgueni Primakov e integrado também pelo ex-chanceler Igor Ivanov e os ex-chefes do Estado-Maior do Exército Yuri Baluyevski e Mikhail Moiseyev."Tratamos de assuntos estratégicos - em particular, os relativos a regiões onde há problemas - e estamos otimistas. Todos esperamos que a reunião dos dois presidentes inicie uma nova etapa das relações e nos conduza a resultados concretos", enfatizou Kissinger. "Para nós, o objetivo dos encontros é entender melhor a posição da Rússia para desenvolver nossa cooperação", acrescentou o ex-secretário de Estado, que se reuniu na véspera com o premiê russo, Vladimir Putin.Na semana passada, Medvedev recebeu em Moscou outro grupo de influentes políticos americanos integrado pelos ex-senadores Chuck Hagel e Gary Hart. Essa primeira missão apresentou a Medvedev um relatório com recomendações para o futuro das relações entre Rússia e EUA, que foi encomendado por Obama e "causou uma impressão muito positiva no Kremlin", segundo a imprensa russa. Os jornais russos destacaram que o documento define a Rússia como um país muito importante para a política externa e de segurança dos EUA, sobretudo em relação a Irã, Afeganistão e aos problemas de desarmamento e de não-proliferação de armas de destruição em massa. Os autores recomendam a Obama revisar os planos sobre o escudo antimísseis, moderar as críticas ao Kremlin pela política interna e os direitos humanos e reconhecer que o espaço pós-soviético é uma zona de interesse legítimo da Rússia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.