Joe Pugliese/Harpo Productions/AFP
Joe Pugliese/Harpo Productions/AFP

Meghan Markle foi alvo de campanha de ódio organizada no Twitter, diz relatório

Contas tinham mais de 187 mil seguidores combinados e potencial de alcançar 17 milhões de outros usuários do Twitter

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2021 | 16h53

Um relatório divulgado na terça-feira, 26, pelo provedor de análise do Twitter Bot Sentinel indica que Meghan Markle, duquesa de Sussex, e seu marido, o príncipe Harry, foram alvo de uma campanha de ódio coordenada naquela plataforma, reforçando a alegação do casal de assédio generalizado. Meghan chegou a afirmar que é a pessoa "mais trollada do mundo", referindo-se ao abuso online que recebeu em 2019. 

Depois de analisar 114 mil tuítes relacionados a Harry e Meghan, o Bot Sentinel identificou 83 contas que alega estarem por trás de 70% das postagens mais virulentas contra Meghan. As contas tinham mais de 187 mil seguidores combinados e potencial de alcançar 17 milhões de outros usuários do Twitter, estimou o relatório.

Alguns dos tuítes usaram linguagem racista codificada, de acordo com o Bot Sentinel, que disse que Meghan, que é birracial, foi alvo de cerca de 80% do assédio. Representantes de Harry e Meghan não puderam ser encontrados imediatamente para comentar o assunto nesta quarta-feira.

O padrão que surgiu de como esses relatos interagem entre si não era "orgânico", disse o relatório, sugerindo um esforço coordenado para amplificar o assédio ao casal real.

A maioria dos tuítes de ódio parece ter sido gerado por humanos, disse o presidente-executivo do Bot Sentinel, Christopher Bouzy, por e-mail. “Procuramos contas automatizadas e encontramos muito poucas evidências de atividade de bot.”

Quatro das 55 contas primárias apontadas pelo relatório foram suspensas por violar as políticas da plataforma, de acordo com um porta-voz do Twitter. Mas a empresa disse que não encontrou nenhuma evidência de "coordenação generalizada, o uso de várias contas por uma única pessoa ou outras táticas de manipulação de plataforma".

Bouzy disse que houve uma queda na atividade direcionada a Meghan e Harry logo após a publicação de seu relatório. “Se a atividade fosse orgânica, não teríamos testemunhado uma queda tão acentuada naquele curto período de tempo”, acrescentou.

Os operadores dessas contas eram experientes nas redes sociais, disse ele ao BuzzFeed News, observando que usaram medidas como tornar temporariamente as contas privadas e inserir conteúdo não relacionado ao casal para tentar evitar a detecção.

Para Entender

Harry e Meghan: a história do casal que desafia a monarquia britânica

A história do príncipe Harry e de Meghan Markle começou como um conto de fadas, mas se tornou uma provação e o casal decidiu renunciar a suas funções reais

Única mestiça da atual família real britânica, Meghan disse que enfrentou hostilidade racial dentro do palácio. Em uma entrevista explosiva "para contar tudo" com Oprah Winfrey no início deste ano, o casal disse que a realeza havia mantido "conversas" sobre a tonalidade da pele de seu filho.

O casal se recusou a nomear qualquer pessoa que supostamente tenha feito esses comentários. Winfrey disse mais tarde que o casal havia dito a ela que nem a rainha nem seu marido haviam feito essas observações.

No ano passado, o casal disse que iria se distanciar da vida no palácio e dos deveres reais da realeza. Sua conta oficial no Instagram, que tem cerca de 10 milhões de seguidores, não foi atualizada desde março de 2020.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.