Marcelo Gomes/Embaixada Britânica
Marcelo Gomes/Embaixada Britânica

Meio ambiente é componente vital para acordos comerciais pós-Brexit, diz embaixador do Reino Unido

Novo representante do Reino Unido no País, Peter Wilson acredita que questão ambiental deve ser encarada como oportunidade

Thaís Ferraz, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2021 | 18h11

O Reino Unido quer garantir condições equitativas de comércio em acordos pós-Brexit com o Brasil, e considera a agenda ambiental um componente fundamental para isto, afirmou nesta sexta-feira, 26, o novo embaixador do Reino Unido no Brasil, Peter Wilson. “A questão ambiental é sempre parte de um acordo comercial, é como fazemos acordos de livre-comércio”, afirmou. “Nós queremos garantir que haverá igualdade de condições no comércio, e o meio ambiente é um componente vital para isso”.

As declarações foram feitas durante o encontro  Relações Brasil-Reino Unido pós-Brexit, promovido pela Aberje em parceria com o King’s Brazil Institute. Além de Wilson, participaram do evento a presidente da Britcham - Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil, Ana Paula Vitelli, e o comissário de Comércio para América Latina e Caribe do Reino Unido, Jonathan Knott. 

Wilson também falou sobre o desmatamento no Brasil e sua possível interferência em investimentos e relações comerciais. “O clima é uma grande preocupação para as pessoas e o desmatamento é parte desse foco”, afirmou. “O Brasil é dono de 60% da Amazônia, por isso a conversa tende a ficar em torno do desmatamento”.

A Conferência das Nações Unidas Sobre Mudança Climática, COP-26, será realizada em Londres. Wilson, que já havia adiantado a esperança do governo britânico de que o Brasil assumisse um compromisso generoso no evento, acredita que a discussão ambiental deve ser encarada como uma oportunidade. “Há lucro a ser feito em termos de economia verde e há lucro a ser feito em relação à criação de um mercado de carbono legal por parte de mercados internacionais”, afirmou. 

O embaixador acrescentou que o objetivo do Reino Unido é trabalhar com o governo brasileiro, não contra ele. “Todos nós sentimos que deveríamos fazer mais”, afirmou. “Os países ricos têm obrigação de fazer mais em relação à finanças, o Brasil em relação ao desmatamento”.

A discussão ambiental está entre uma das cinco prioridades para as relações entre Reino Unido e Brasil pós-Brexit elencadas por Wilson, ao lado de comércio, ciência, segurança e promoção de uma sociedade aberta. 

Comércio

Wilson destacou que a saída do Reino Unido da União Europeia abre caminho para o fortalecimento de relações entre o país e o Brasil. “Há mais possibilidades de fazermos mais negócios com o Brasil, porque agora há uma flexibilidade que não existia antes”, disse. “Acredito que há um crescente alinhamento estratégico entre os países, e vejo oportunidade de enriquecer significativamente o diálogo estratégico entre nós”. 

O embaixador citou o acordo de dupla tributação (DTA, Double Taxation Agreement), ainda inexistente entre os dois países, como uma grande prioridade para o Reino Unido. “O Brasil é o maior país do mundo com o qual nós não temos um DTA. O lado bom é que, quando converso com autoridades sobre isso, há um entendimento de que se trata de algo desejável para ambas as partes", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.