Meio milhão de pessoas pedem renúncia do presidente de Taiwan

Cerca de 500 mil taiwaneses, com roupasvermelhas e luzes nas mãos, enfrentaram, nesta sexta-feira, a chuva e cercaram oescritório presidencial em Taipei para, com um simbólico "cercopopular", pedir a queda do presidente da ilha, Chen Shui-bian. Segundo os organizadores, o protesto reuniu mais de meio milhãode pessoas e criou um cerco de 5,5 quilômetros ao redor doescritório presidencial. Aproximadamente quatro mil policiais vigiam a manifestação que,por enquanto, transcorre com normalidade. O governante taiwanês foi atingido por uma série de escândalos decorrupção que afeta o escritório presidencial, seus colaboradores eaté mesmo seus familiares. O protesto, intitulado "Um milhão de vozes contra a corrupção eChen", foi organizado por Shih Min-teh, de 69 anos, antigopresidente do Partido Democrata Progressista (PDP) - o mesmo de Chen- e um dos presos políticos com maior destaque no Governoautoritário de Chiang Kai-shek. Esta manifestação faz parte de uma campanha contra a corrupção ea favor da deposição de Chen, iniciada no último sábado com umaconcentração de mais de 200 mil pessoas e que continuou com amovimentação em frente ao escritório presidencial. No sábado, quando acaba e permissão municipal do movimento, acampanha deve ir à estação de trem de Taipei. Shih pediu nesta sexta-feira que os participantes "não usem aviolência" e acrescentou que "Chen Shui-bian será o únicoresponsável caso sejam registrados tensões e conflitos". Os dirigentes da campanha anunciaram que, caso Chen não deixe opoder, eles aumentarão a pressão com greves e outras ações que criemobstáculos para o trabalho do governante, chamado de "corrupto,autoritário e ineficaz". A radicalização da campanha preocupa não apenas o Governo e o PDPcomo também as associações empresariais e a oposição política,devido à incerteza gerada que pode afetar a bolsa e a economia dailha. Os partidários de Chen planejam uma manifestação neste sábadopara demonstrar seu apoio ao presidente taiwanês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.