Membro da Al Qaeda é mentalmente incapaz, diz psiquiatra

Uma psiquiatra contratada pelos advogados do suposto terrorista José Padilla, acusado de pertencer à Al Qaeda, disse nesta quinta-feira (hora local) nos Estados Unidos que o homem sofre de estresse e de ansiedade devido ao prolongado isolamento em uma prisão, o que o impede de ajudar seus advogados a preparar sua defesa para o julgamento.Em um tribunal de Miami, Angela Hegarty disse que Padilla sofre da síndrome de estresse pós-traumático, uma condição que o impede de entender a natureza e as conseqüências do processo judicial que enfrenta.Padilla, de origem porta-riquenha, esteve detido e incomunicável durante 3,5 anos em uma prisão militar na Carolina do Sul, na qualidade de "combatente inimigo"."Na minha opinião, ele é incapaz de ajudar os advogados", disse a especialista, que, em dezembro passado, revelou os resultados da avaliação feita em Padilla.Após seu testemunho, o promotor John Shipley destacou que, em um teste realizado pela psiquiatra em Padilla, nada indicou que o acusado sofresse de desordem por estresse.Portanto, enfatizou Shipley, tal resultado, não apoiava o diagnóstico de Hegarty.A especialista é a primeira de várias pessoas que testemunham à juíza Marcia Cooke, que decidirá se o suposto terrorista está mentalmente capacitado para enfrentar um julgamento.Os advogados de Padilla pediram à juíza que se pronuncie sobre este aspecto, ao argumentar que seu cliente sofreu danos mentais após passar três anos em um calabouço enquanto esteve sob custódia militar.Padilla é acusado de integrar uma célula que recrutava terroristas e recolhia fundos para uma guerra santa no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.