Membro do partido de Benazir é eleito novo premiê paquistanês

Yousuf Raza Gilani é escolhido primeiro-ministro por aliança oposicionista contra o presidente Musharraf

Agências internacionais,

24 de março de 2008 | 09h52

O Parlamento paquistanês elegeu nesta segunda-feira, 24, Yousuf Raza Gilani para o cargo de primeiro-ministro do Paquistão. Candidato do partido da ex-premiê assassinada Benazir Bhutto, Gilani recebeu o apoio do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, que fez um acordo por uma coalizão oposicionista para governar o país.   Veja também: A trajetória de Benazir   Gilani trabalhou durante muitos anos ao lado de Benazir e passou quatro anos na cadeia por alegações de abuso de autoridade durante o segundo mandato da ex-premiê nos anos noventa. Ele foi escolhido com 264 votos dos 342 deputados do Parlamento. O candidato apoiado pelo presidente Pervez Musharraf, Chaudhry Pervez Elahi, recebeu apenas 42 votos.   Líder do partido em Punjab, Gilani é admirado dentro do Partido do Povo do Paquistão (PPP) por ter sido preso em 2001 depois de se recusar a fazer um acordo com Musharraf.  Alguns analistas afirmam que sua permanência no cargo poderá ser temporária e que o atual líder da legenda, Asif Ali Zardari, viúvo de Benazir Bhutto, poderia tentar se tornar primeiro-ministro no futuro.   O novo governo de coalizão pretende readmitir os juízes demitidos por Musharraf quando foi decretado o estado de emergência no Paquistão, em novembro passado. Se os juízes voltarem para a Suprema Corte, poderão anular a reeleição de Musharraf pelo Parlamento em Outubro passado, tornando sua presidência ilegal.   Após ser escolhido para chefe de Governo, Gillani fez um breve discurso, na qual destacou que "o sacrifício de Benazir possibilitou a restauração da democracia". "Pagamos um preço muito alto para restabelecer a democracia", acrescentou. "Protegeremos todas as instituições, incluindo a judicatura", disse o novo primeiro-ministro, em alusão aos magistrados destituídos por Musharraf.   A recém-escolhida presidente do Parlamento, Fahmida Mirza, dirigiu a sessão, que começou com a leitura de passagens do Corão e na qual os deputados votaram oralmente. Gillani tomará posse de seu cargo na terça-feira, em cerimônia que será presidida por Musharraf.   O dirigente do PPP se transforma assim no 22º primeiro-ministro na história do Paquistão, e no terceiro político do PPP que consegue chegar a esse posto, depois do fundador do partido, Zulfikar Ali Bhutto (1973-1977), e de sua filha Benazir, que dirigiu o governo em dois períodos (1988-1990 e 1993-1996).   Musharraf, um aliado dos Estados Unidos que assumiu o poder como general depois de um golpe, em 1999, parece cada vez mais isolado,segundo analistas, depois da derrota nas urnas.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.