Membros da comissão do 11/9 criticam plano de Bush

Dois membros da comissão que investigou os atentados de 11 de setembro de 2001 questionaram a proposta do presidente George W. Bush para a criação de um diretório nacional de espionagem e informação. Eles disseram que quem quer que ocupe o cargo deveria ter poderes para contratar, demitir e controlar os gastos de todas as 15 agências de espionagem do governo federal. O ex-senador republicano Slade Gordon e Richard Ben-Veniste, ex-promotor do caso Watergate, disseram que o cargo será enfraquecido por qualquer coisa menos que total controle orçamentário e de pessoal. ?Arranjar um cargo simbólico não era a nossa intenção?, disse Ben-Veniste.Na segunda-feira, Bush anunciou seu apoio ao estabelecimento de um diretor nacional de espionagem e de um centro nacional de contraterrorismo, duas recomendações da comissão do 11/9, mas rejeitou a idéia de que o diretor controle os orçamentos e nomeie os chefes da CIA, FBI e outros organismos. Ele também descartou dar status de ministério à diretoria de espionagem e ao centro de contraterrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.