Membros do Boko Haram se rendem na Nigéria e em Camarões

Centenas de extremistas islâmicos se renderam na Nigéria e no vizinho Camarões após recentes vitórias militares nigerianas que realizaram ações aéreas e em terra, informaram autoridade militares do país nesta quarta-feira.

Estadão Conteúdo

24 de setembro de 2014 | 16h57

O Exército nigeriano informou que obteve vitória nos arredores da cidade de Konduga, a cerca de 35 quilômetros de Maiduguri, local de origem do Boko Haram e cenário das ofensivas militares para conter a escalada islâmica. De acordo com o órgão, 135 insurgentes se renderam na noite de terça-feira, alguns na cidade de Buni-Yadi, a cerca de 200 quilômetros a oeste de Konduga e outros em Michika, a 165 quilômetros ao sul de Kondunga.

O Ministério de Defesa nigeriano informou que matou centenas de insurgentes recentemente no nordeste do país. Diversos líderes estavam entres eles, incluindo Mohammed Bashir. O Exército nigeriano identificou que ele se apresentava em vídeos como líder do Boko Haram, usando o nome Abubakar Shekau. Eles acreditavam que Bashir havia sido morto no fim do ano passado.

"Tornou-se evidente que os terroristas estavam determinados a tomar comunidades perto de Maiduguri, que foi o primeiro alvo", informou o Ministério, acrescentando que insurgentes fizeram quatro tentativas de tomar Konduga entre 12 e 17 de setembro.

O Ministério de Defesa de Camarões informou que mais de 300 combatentes do Boko Haram se renderam nas últimas três semanas. O porta-voz da pasta, Didier Badjeck, afirmou que militantes entregaram suas armas e pediram asilo em Camarões. O destino deles ainda não foi decidido.

Combatentes vindos de Camarões, Nigéria e Chade foram identificados lutando junto com o grupo nigeriano Boko Haram na Nigéria. Nas últimas semanas, o grupo atacou cidades fronteiriças e vilarejos em Camarões. O Boko Haram ocupou diversas cidades e declarou um califado islâmico no norte da Nigéria. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.