Membros do Fatah invadem prédios do Hamas na Cisjordânia

Ação de retaliação contra invasão de Gaza aprofunda divisão entre palestinos

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

Centenas de atiradores palestinos fiéis ao partido laico Fatah invadiram instituições ligadas ao grupo islâmico Hamas na Cisjordânia neste sábado, 16, levando para o até então relativamente calmo território os embates que castigaram a Faixa de Gaza ao longo da semana. Na região costeira, forças do Hamas foram deslocadas a pontos estratégicos para consolidar seu controle sobre o território, e a casa de uma importante família ligada ao Fatah foi invadida.A violência reflete o aprofundamento das divisões entre Gaza e Cisjordânia. Com a primeira controlada pelo Hamas e a segunda pelo Fatah, os dois territórios palestinos - cada um em uma extremidade de Israel - tornam-se áreas efetivamente separadas politicamente, fato que coloca em risco o sonho da criação de um Estado palestino independente nos dois territórios. Em Gaza, dezenas de membros do Fatah tentavam deixar o território através das fronteiras com Israel e com o Egito, apesar das promessas do Hamas de conceder anistia aos militantes inimigos. Segundo membros do partido laico, ao menos 50 líderes do grupo já chegaram à Cisjordânia advindos da faixa costeira.Neste sábado, dezenas de palestinos convergiram para a passagem de Erez, na fronteira com Israel, com o objetivo de cruzar o Estado judeu em direção à Cisjordânia. Alguns levavam grande quantidade de bagagens. Israel informou que permitirá a passagem em casos de necessidade "humanitária". Ainda assim, soldados israelenses atiraram para o alto na tentativa de manter a aglomeração de palestinos longe do território judeu. No sul da Faixa de Gaza, famílias tentavam atravessar para o Egito. Na Cisjordânia, o novo primeiro-ministro palestino apontado pelo presidente Mahmoud Abbas, Salam Fayyad, manteve seus planos para formar um gabinete de emergência. Segundo assessores de Abbas - que é líder do Fatah -, o governo interino também incluirá membros de Gaza numa tentativa de manter a unidade palestina. Para o Hamas, entretanto, a medida desencadeada pela destituição do governo do Hamas por Abbas é ilegal. Entre os locais atacados por membros do Fatah na Cisjordânia estão os prédios do parlamento e de ministérios. Os invasores informaram que não deixarão pessoas com laços com o Hamas retornarem aos edifícios.No topo da sede do parlamento palestinos, militantes do Fatah atiravam para o alto aos gritos de "fora Hamas". Bandeiras do partido e da Palestina foram colocadas no local, repetindo uma cena que marcou a conquista de Gaza por membros do Hamas na última quinta-feira, 14.Houve tentativa de seqüestro contra um dos vice-presidentes do parlamento, mas os militantes foram impedidos por funcionários da instituição.RepresáliasMuitos empregados do governo ligados ao Hamas não compareceram ao trabalho neste sábado, aparentemente por medo de sofrerem represálias pela ação do grupo islâmico na Faixa de Gaza.Um membro das Brigadas dos Mártires de Al Aqsa - o braço armado do Fatah - disse que o grupo planeja tomar todas as instituições ligadas ao Hamas em reposta à ofensiva do grupo islâmico na Faixa de Gaza.No prédio do parlamento, atiradores do Fatah invadiram o gabinete do vice-presidente da instituição Hassan Kreisheh, com o objetivo de seqüestra-lo. Os militantes foram impedidos, entretanto, por membros do próprio Fatah. O Ministério da Educação e o gabinete do primeiro-ministro também foram invadidos. Em Nablus, também na Cisjordânia, atiradores do Fatah tomaram o conselho da cidade controlado pelo Hamas e colocaram uma bandeira do Hamas no alto do prédio. Os militantes também seqüestraram sete membros do Hamas e depuseram um importante membro do Ministério de Assuntos Religiosos. O Hamas e o Fatah encontram-se em uma disputa de poder desde que o grupo islâmico venceu as eleições parlamentares palestinas em janeiro de 2006. Após vários episódios de violência controlados ao longo dos últimos meses, as tensões em Gaza evoluíram a uma situação próxima da guerra civil no início desta semana, quando militantes do Hamas iniciaram uma campanha de ataques a forças fiéis ao Fatah.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.