Menem antecipa ministério para o caso de ganhar eleição

O ex-presidente argentino Carlos Menem, e candidato ao mesmo cargo no segundo turno do dia 18, anunciou hoje alguns nomes de um possível mnistério, para o caso de vencer as eleições. Na pasta da Economia, Menem afirmou que seu ministro será Carlos Melconian. Carlos Melconian já deixou claro que os salários serão congelados e que haverá fortes ajustes, o que contrasta com o discurso de Menem de aumentar salários e com seu passado assumido de se exceder nos gastos públicos.Outros ministeriáveis de Menem são: Jorge Castro, um estrategista que já foi seu secretário de Assuntos Estratégicos, para o ministério de Relações Exteriores; Alejandro Matera, neurocirurgião para o ministério de Saúde; Rogelio Frigerio, economista que iria para o ministério da Produção; o economista Pablo Rojo, que elaborou o plano de governo de Menem, iria para o ministério de Defesa; Oscar Salvi, um advogado penalista que o livrou da prisão e do processo por venda ilegal de armas à Croácia e ao Equador, seria o ministro de Justiça; Pablo Tobias, atual reitor da Universidade del Salvador iria para a Educação; e o empresário Francisco Narváez, ocuparia o ministério de Ação Social. Uma propaganda eleitoral de Menem com as "novas caras" de Menem já foi gravada ontem e deverá ir ao ar ainda hoje. O anúncio de um possível ministério antes mesmo da eleição é parte de uma estratégia de Menem para reverter sua posição nas pesquisas de opinião, que vêm indicando preferência por Néstor Kirchner. O objetivo de Menem é desvincular-se publicamente dos velhos assessores e alguns ex-ministros que contam com prontuários policiais relacionados a algum tipo de corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.