Cézaro De Luca/Efe
Cézaro De Luca/Efe

Menem é inocentado de acusações de tráfico de armas

O ex-presidente argentino assinou decretos permitindo venda de armas que foram desviadas para países em conflitos

AE, Agência Estado

13 Setembro 2011 | 18h06

Atualizado às 18h56

 

BUENOS AIRES - O ex-presidente da Argentina Carlos Menem foi inocentado nesta terça-feira, 13, por um tribunal em Buenos Aires da acusação de que teria traficado armas para a Croácia e o Equador na década de 1990.

 

Veja também:

blog PARA LEMBRAR: O escândalo do contrabando de armas

 

A promotoria havia pedido uma sentença de até oito anos de prisão para o ex-presidente, atualmente com 81 anos. Entre 1991 e 1995, Menem assinou três decretos permitindo a venda de armas para a Venezuela e o Panamá. Mas os armamentos argentinos foram enviados à Croácia e ao Equador, que na época enfrentavam conflitos. Zagreb e Quito ainda sofriam embargos de armas das Nações Unidas e da Organização dos Estados Americanos (OEA).

 

Menem governou a Argentina entre 1989 e 1999. O ex-mandatário, atualmente senador pela província de La Rioja, proclamou sua inocência há 15 dias diante dos juízes e argumentou que "minha atuação como presidente foi apenas assinar os decretos de exportação das armas ao Panamá e à Venezuela. A partir desse ponto, o presidente não era responsável pelos trâmites. Ele não podia ir às alfândegas e observar qual era o destino final das armas".

 

Em 2001, Menem chegou a ficar seis meses detido pelas acusações, mas na época era acusado de "associação ilícita" e não de tráfico. Uma decisão da Suprema Corte permitiu que ele fosse libertado.

 

Entre os outros absolvidos hoje estão o ex-cunhado e ex-assessor presidencial de Menem, Emir Yoma; o ex-ministro da Defesa da Argentina, Oscar Camillón; e o ex-comandante da Força Aérea Argentina, Juan Paulik.

As informações são da Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Argentina Menem Carlos Menem Emir Yoma armas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.