Menem recusa-se a depor sobre conta na Suíça

O ex-presidente argentino, Carlos Menem, em campanha para voltar à Casa Rosada no ano que vem, permaneceu hoje durante meia hora na sala do juiz federal Norberto Oyarbide, mas recusou-se a prestar depoimento sobre a origem de uma conta bancária em seu nome na Suíça. "Declararei apenas depois que se saiba com precisão quem são o juiz e o promotor competentes para o caso, assim como quais são os fatos que constituem o objeto processual", dizia um documento assinado e entregue por Menem a Oyarbide.Na porta do tribunal, partidários e adversários de Menem entraram em choque. Um "menemista" foi preso. Em julho, Menem admitiu ser o titular da conta, que nunca apareceu em sua declaração de bens. Aproximadamente US$ 600 mil estão depositados nela. A admissão de Menem se deu depois que o jornal americano The New York Times publicou reportagem segundo a qual a conta teria sido aberta por agentes iranianos, para encobrir a suposta participação de Teerã no atentado de 1994 contra a Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia), que causou a morte de 85 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.