Menéndez quis invadir o Chile

Em 1990, Luciano Menéndez foi beneficiado pelo então presidente argentino, Carlos Menem, com um indulto, que o livrou de ser julgado por 47 casos de homicídio, 76 de tortura e 4 acusações de sequestro. Menéndez foi uma peça crucial nos primeiros anos da ditadura. Em 1978, ele foi designado para comandar a invasão argentina ao Chile, cancelada graças à intervenção do papa João Paulo II. Ainda sem saber do cancelamento da ação militar contra os chilenos, ele disse: "Atravessaremos o Chile e urinarei no Pacífico". Enfurecido com a mudança de planos da ditadura argentina, o general prometeu vingança contra os militares moderados. / A.P.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.