Menina britânica seqüestrada na Nigéria é libertada

O seqüestro da menina britânica de três anos terminou nesta segunda-feira, 9. Margaret Hill foi seqüestrada há quatro dias na região petrolífera do Delta do Níger quando era levada de carro a uma creche, em Port Harcourt, no sul da Nigéria. Os pais da pequena, Mike e Oluchi Hill, manifestaram à emissora de TV britânica Sky News que Margaret goza de boa saúde, mas está coberta de picadas de mosquitos. Há poucos dias, os seqüestradores tinham ameaçado matar a menina a menos que fosse pago um resgate e também chegaram a pedir que Margaret fosse trocada por seu pai. Segundo Mike Hill, a criança foi retida entre árvores ou uma espécie de cabana, e especificou que não foi paga nenhuma recompensa. O ministro de Assuntos Exteriores britânico, David Miliband, expressou sua satisfação pela libertação de Margaret. "Agradeço às autoridades nigerianas por toda a ajuda e espero que os seqüestradores possam ser levados em breve à Justiça", acrescentou o chefe da diplomacia britânica. Segundo um porta-voz do Foreign Office, Margaret será internada nesta segunda em um hospital para ser submetida a uma revisão médica. Os seqüestros são muito comuns na região petrolífera da Nigéria, mas são raros os casos envolvendo crianças ou mulheres. Geralmente, todos os seqüestrados são postos em liberdade alguns dias após a captura. Nos últimos meses mais de 200 trabalhadores estrangeiros do setor petroleiro ou de empresas de serviço foram seqüestrados por grupos que dizem defender os direitos das comunidades do sul da Nigéria ou por grupos armados que pedem resgate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.