PA via AP
PA via AP

Menina de 8 anos e estudante são as primeiras vítimas identificadas do atentado no Reino Unido

Saffie Rose Roussos tinha ido ao show na Manchester Arena com sua mãe e irmã; ação de suicida deixou 22 mortos e 59 feridos

O Estado de S.Paulo

23 Maio 2017 | 10h14
Atualizado 23 Maio 2017 | 18h46

MANCHESTER, REINO UNIDO - Uma menina de 8 anos é a mais jovem vítima do atentado suicida que deixou 22 mortos e 59 feridos na segunda-feira à noite, após uma apresentação em Manchester da cantora pop americana Ariana Grande.

Saffie Rose Roussos, de 8 anos, tinha ido ao show na Manchester Arena com sua mãe, Lisa Roussos, e a irmã de 20 anos, Ashlee Bromwich, quando um suicida detonou um artefato de fabricação caseira que levava junto ao corpo, segundo confirmaram as autoridades do Condado de Lancashire, no norte da Inglaterra. 

A mãe e a irmã de Saffie ficaram feridas com os estilhaços da bomba e estão internadas em dois hospitais diferentes da região, mas livres de perigo. Os pais de Saffie são donos de uma lanchonete em Leyland, Lancashire e segundo o jornal Cyprus Daily, o pai de Saffie, Andreas Roussos, é originário de Chipre.

Saffie foi procurada durante toda a noite e manhã e a sua fotografia amplamente divulgada nas redes sociais. “Minha amiga Lisa e suas filhas Ashley e Saffie estavam no show de ontem”, uma mulher escreveu no Facebook. “Saffie Rose, de 8 anos, ainda está desaparecida, sua mãe e a irmã estão internadas com ferimentos de estilhaços, mas Saffie ainda não foi encontrada. Por favor, compartilhem este post e ajudem a encontrá-la. Entrem em contato comigo se tiverem qualquer informação”, acrescentou a mulher.

No entanto, horas depois, foi confirmada a pior das notícias: Saffie estava entre as 22 vítimas do atentado confirmadas até agora. O diretor da escola primária da comunidade de Tarleton,Lancashire, onde Saffie estudava, Chris Upton, a descreveu como “uma menina simplesmente maravilhosa”.

“Ela era muito querida. Seu calor e sua amabilidade serão lembrados com carinho. Saffie era quieta e modesta, com um toque criativo”, disse Upton. Ele afirmou que a morte foi recebida com “grande comoção”. “A ideia de que alguém pode ir a um show e não voltar para casa é devastadora”, declarou. Segundo o diretor, os professores, funcionários, alunos e o restante da comunidade escolar estão recebendo ajuda para lidar com a situação.

 

A segunda vítima identificada é Georgina Callender, uma estudante de 18 anos que estava no centro de ensino superior Runshaw College, em Leyland, ao noroeste de Manchester. "Os nossos mais sentidos pesares, pensamentos e preces se dirigem à família de Georgina, aos seus amigos e a todos os atingidos por esta perda", afirmou um porta-voz do centro educativo.

O jornal local Manchester Evening News arrecadou cerca de 200 mil libras (€ 230 mil) em uma campanha virtual para ajudar a família de Georgina.

Como todas as outras divas pop atuais, com um passado de estrela infantil na TV Nickelodeon, a cantora americana Ariana Grande, de 23 anos, esforçou-se muito para superar essa imagem de ídolo infantil, mas entre os milhares de adolescentes estavam na Manchester Arena no momento da explosão na segunda-feira à noite havia muitas crianças que ainda são suas fãs.

Segundo especialistas, o perfil dos seguidores de Ariana mostra que a pessoa que cometeu o atentado, identificado como Salman Abedi, de 22 anos, tinha jovens e crianças como seus alvos. / EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.