Russell Contreras/ AP Photo
Russell Contreras/ AP Photo

Menina de sete anos morre por desidratação e exaustão após ser detida na fronteira dos EUA

Garota guatemalteca havia cruzado a fronteira com o pai e um grupo de imigrantes; de acordo com autoridades, criança estava havia dias sem comer e beber água e sofreu convulsões oito horas após prisão

O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2018 | 05h00

WASHINGTON - Uma menina guatemalteca, de 7 anos, morreu na quinta-feira 14 por desidratação e exaustão, horas depois de atravessar com seu pai a fronteira dos Estados Unidos com o México e ser detida pela Patrulha da Fronteira americana. A menina foi identificada como Jackeline Caal e seu pai como Nery Caal.

Segundo comunicado da Patrulha da Fronteira, divulgado pelo jornal The Washington Post, a menina estava havia "vários dias sem comer ou consumir água" no momento da sua detenção. As autoridades afirmam que a guatemalteca e o pai foram detidos na noite do último dia 6, ao sul de Lordsburg, no Novo México, após terem sido entregues a agentes com um grupo de 163 migrantes. 

Por volta de 6h25 (hora local) do dia seguinte, aproximadamente oito horas depois da sua apreensão, a menina começou a ter convulsões. Jackeline foi então transferida com febre de 41 graus em helicóptero para um hospital em El Paso, no Texas, onde chegou com parada cardíaca. No hospital, os médicos conseguiram reanimá-la, mas horas depois ela morreu.

O pai espera por uma reunião com representantes do consulado da Guatemala, indicou o Post após ouvir fontes do serviço de vigilância de fronteiras dos Estados Unidos (CBP), que investiga o caso e expressou pêsames pela morte da guatemalteca. "Os guardas da fronteira fizeram todo o possível para salvar a menina", afirmou o porta-voz do CBP, Andrew Meehan. "Como pais e mães, irmãos e irmãs, nos identificamos com o falecimento de qualquer criança", disse.

Embora a autópsia ainda leve algumas semanas, os médicos do Hospital Providence, em El Paso, indicaram que a garota morreu de choque séptico, desidratação e febre. Não está claro se a menina recebeu alimentação ou atendimento médico ao longo da noite, antes de sofrer as convulsões.

Tolerância zero

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem feito da tolerância zero com a imigração ilegal um dos eixos da sua administração, o que provoca críticas e acusações de que que demoniza os migrantes com o objetivo de obter frutos políticos. 

Uma caravana de milhares de migrantes centro-americanos chamou a atenção. Eles chegaram a Tijuana, México, ao sul de San Diego, Califórnia, em um desafio a Trump, que denuncia uma "invasão". Mas os migrantes, que fogem da pobreza e da violência, arriscam suas vidas em viagens perigosas pelo Novo México, Texas e Arizona, para chegar aos Estados Unidos.

Para conter os migrantes, o presidente Trump deseja construir um muro na fronteira com o México. Ele ordenou a mobilização de milhares de soldados e separou mais de 2.000 crianças migrantes de seus pais como parte da política de "tolerância zero" com a imigração ilegal. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.