Menina desaparecida há nove meses encontrada viva

Depois de nove meses desaparecida, Elizabeth Smart, uma menina de 15 anos, voltou para casa. Ela foi encontrada, viva e saudável, caminhando com um andarilho que, segundo Mary Katherine, irmã de Elizabeth, pode ser o seqüestrador. Enquanto os pais da menina abraçavam a filha, o andarilho e sua mulher eram indiciados pela polícia, que busca resposta para as perguntas: como Elizabeth foi capturada? Para onde foi? O que a impediu de pedir socorro, mesmo enquanto andava calmamente pela rua, a poucos quarteirões de casa??Ela disse que não tinha jeito, que havia duas pessoas com ela o tempo todo?, disse Chris Thomas, porta-voz da família Smart. O pai, Ed Smart, disse que ainda não pediu detalhes à filha. ?Fisicamente, ela está OK?, ele disse à TV CBS. ?Eu sei que ela passou por uma lavagem cerebral . Para ela, ter atravessado os últimos nove meses foi horrível, totalmente horrível?.A polícia do subúrbio de Sandy, em Salt Lake City, prendeu Brian Mitchell, um autoproclamado ?profeta dos sem-teto? que trabalhou por um tempo na casa dos Smart, e sua mulher, Wanda Barzee. Os policiais foram alertados por telefonemas de pessoas que diziam ter visto um homem e duas mulheres vestindo panos encharcados e carregando cobertores e sacolas.Elizabeth, Barzee e Mitchell, também conhecido como Emmanuel, estavam todos usando perucas quando foram detidos, informam as autoridades.A filha de Barzee, Louree Gayler, tinha 12 anos quando sua mãe se casou com Mitchell. Ela disse que os dois rezavam o tempo todo, e queriam que ela fizesse o mesmo. Louree não gostou e foi viver com o pai. ?Pode ter havido um pouco de lavagem cerebral, eles eram muito bons nisso?, ela disse à TV NBC. ?Ou pode ter havido drogas?.Perguntada se seu padrasto cometia abusos sexuais, Louree disse que havia ?abraços, beijos que eram meio forçados?.O pai, Ed Smart, reencontrou a filha na delegacia. ?É um milagre. Eu a abracei, abracei-a todo o caminho para casa?, disse ele, chorando. Um tio de Elizabeth, Dave Smart, disse que a menina parecia malnutrida. A mãe de Elizabeth, Lois Smart, disse ter conhecido Mitchell no centro de Salt Lake City, quando ele lhe pediu dinheiro. Ela lhe deu US$ 5 e o contratou para ajudar no conserto do telhado da casa, em novembro de 2001. Ele trabalhou na casa por cinco horas. Sete meses depois, Elizabeth desapareceu.A polícia inicialmente suspeitou de outro empregado contratado dos Smart, Richard Ricci, que negou envolvimento no crime. Ricci morreu na prisão em agosto, depois de cometer uma violação de condicional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.