'Menina desconhecida' é encontrada com cigano gregos

A polícia grega invadiu um acampamento de ciganos de etnia roma em busca de armas de fogo e drogas na semana passada. Contudo, durante a operação, encontraram algo que não esperavam: uma pequena menina loira de olhos claros.

AE, Agência Estado

21 de outubro de 2013 | 13h33

Respondendo ao nome de Maria, a menina que aparentava ter cerca de quatro anos não tinha quase nenhum traço físico semelhante ao do casal que a abrigava, de acordo com autoridades. Em seguida, testes de DNA mostraram que a menina, de fato, não era filha biológica do casal.

Uma investigação mais aprofundada levantou outras suspeitas. As autoridades alegam que a mãe diz ter dado à luz a seis crianças em um total de menos de 10 meses, enquanto 10 dos 14 filhos registrados do casal estão desaparecidos.

A criança foi encontrada na quarta-feira perto Farsala na região central da Grécia. Segundo a polícia, eles também encontraram drogas e armas de fogo não registradas em outras partes do acampamento cigano, que fica cerca de 280 quilômetros ao norte de Atenas.

O casal, um homem de 39 anos e uma mulher de 40 anos, foi preso e acusado de sequestrar um menor. A polícia grega pediu assistência da Interpol para encontrar a verdadeira família da criança. Além disso, uma casa de caridade afirmou que tem procurado o mesmo apoio de grupos internacionais de ajuda a crianças perdidas ou violentadas.

Os suspeitos também são acusados de terem oferecido relatos conflitantes sobre como eles tomaram posse da criança. Entre os argumentos, eles disseram que a menina foi encontrada em um cobertor, que ela foi entregue por estranhos ou que ela tinha um pai estrangeiro.

Mas a advogada do casal, Marietta Palavra, disse que os dois a tiraram de uma casa de caridade, através de um intermediário, quando ela acabara de se separar de um estrangeiro. Segundo a advogada, o pai afirmou que não poderia sustentar a filha.

Palavra reconheceu que os roma e outros gregos já tinham a fama de registrar várias crianças para obter mais benefícios sociais do Estado, mas ela insistiu que esta não era a motivação de seus clientes.

"Só porque (o suspeito) tinha documentos falsos, isso não faz dele um sequestrador", disse ela. "O casal amou a menina como se fosse sua própria" filha. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
gréciameninaciganos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.