Petros Kritsonis/Reuters
Petros Kritsonis/Reuters

Menina em boia de unicórnio é salva por balsa na Grécia

Criança de 4 anos, que foi levada pelo vento e pela correnteza, foi resgatada sem ferimentos

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 04h30

A história teve um final feliz, mas deixou muita gente em choque na praia de Antirrio, na Grécia. Uma criança de 4 anos foi resgatada a cerca de 500 metros da costa, após sua boia de unicórnio ser arrastada para o mar no Golfo de Corinto. O caso aconteceu no domingo, mas alguns detalhes foram revelados nesta quarta-feira, 26.

Os pais da menina perceberam quando o vento mudou e a corrente levou a boia, causando comoção imediata na praia. Testemunhas disseram que tentaram alcançá-la, mas não conseguiram – a boia seguiu rapidamente para o alto-mar. Imediatamente, os pais alertaram a autoridade portuária. 

Antirrio fica próxima do Porto de Patras e da ponte que liga a Grécia Central à Península do Peloponeso, local de intenso tráfego de barcos e balsas, especialmente no verão. Avisado pelas autoridades, o capitão Grigoris Karnesis, do ferry Salaminomachos, que navegava na região, começou a procurá-la e não demorou muito para encontrar um unicórnio branco flutuando no mar azul. 

“Estava me aproximando do Porto de Antirrio e fui avisado pela autoridade portuária de que havia uma criança perdida no mar, que foi arrastada pelas correntes em uma praia próxima, que fica perto do cais do porto. Só não esperava que ela fosse tão pequena”, disse o capitão.

Imagens postadas em redes sociais mostram o momento em que a balsa se aproxima e a menina é resgatada. “Coloquei a balsa em uma posição que não criasse ondas e afetasse a boia, porque se ela virasse, teríamos sérios problemas. Nós nos aproximamos lentamente e conseguimos resgatá-la”, explicou Karnesis. 

De acordo com o capitão, a criança estava em choque, com muito medo e mal se mexia. “Ela estava apavorada e é por isso que se agarrou tão firmemente à boia.” Apesar de receber o tratamento de herói nacional após o resgate, Karnesis rejeitou o título, dizendo que apenas cumpriu sua obrigação. “Não há necessidade de alguém me agradecer. Fiz o que qualquer um faria.” 

Depois de resgatada, a garotinha foi entregue aos pais sem nenhum ferimento. A mãe, segundo os jornais locais, estava em pânico, mais assustada do que a filha.

Não é a primeira vez que algo assim acontece na Europa, de acordo com o Independent. No ano passado, duas crianças de 5 anos foram levadas para o mar em um cisne inflável, depois de serem atingidas por uma rajada de vento. 

As duas estavam sentadas na parte rasa da praia em Minehead, no Reino Unido. O pai também tentou nadar atrás da boia, que foi rapidamente arrastada para o Canal de Bristol – elas foram encontradas pela Guarda Costeira britânica a 2 quilômetros da costa. / AFP e EFE

 

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.