David Jones/Reuters
David Jones/Reuters

Menina paquistanesa baleada pelo Taleban 'vai levantar de novo', diz pai

Malala foi levada à Grã-Bretanha para receber tratamento especializado depois de ataque

Reuters

26 de outubro de 2012 | 11h02

Texto atualizado às 14h34

 

BIRMINGHAM, INGLATERRA - Ziauddin Yousufzai, o pai da menina paquistanesa que foi baleada na cabeça pelo Taleban por defender o direito à educação para garotas, disse nesta sexta-feira, 26, que sua filha está forte e vai "levantar-se novamente" para correr atrás de seus sonhos, depois de receber tratamento em um hospital britânico.

Veja também:

linkPolícia prende suspeitos de ataque contra ativista

linkMenina paquistanesa já consegue se levantar e escrever

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Malala Yousufzai, de 15 anos, foi levada do Paquistão para a cidade britânica de Birmingham para receber tratamento especializado depois do ataque, no dia 9 de outubro, que atraiu a condenação internacional. Ela se tornou um poderoso símbolo de resistência à ação do grupo radical islâmico contra o direito das mulheres à educação.

 

 

O pai de Malala e outros familiares viajaram para a Grã-Bretanha na quinta-feira para ajudar na recuperação da filha. "Eles queriam matá-la. Mas ela caiu temporariamente. Ela vai se levantar de novo. Ficará em pé de novo", disse, emocionado e com a voz fraquejando. "É um milagre para nós... Ela estava numa condição muito ruim", disse a repórteres, sentado ao lado de seu filho. "Ela está melhorando com uma velocidade animadora."

Malala começou a se opor ao Taleban paquistanês quando tinha 11 anos, na época em que o governo de Islamabad havia efetivamente cedido controle do Vale de Swat, onde ela morava, ao Taleban. Ela esteve em condição grave desde que um homem armado atirou em sua cabeça e pescoço quando saía da escola em Swat, noroeste de Islamabad.

Médicos britânicos dizem que ela tem todas as chances de ter uma boa recuperação na unidade especial do hospital, especializado em lidar com casos de traumas complexos. O local já tratou de centenas de soldados feridos no Afeganistão. O pai da menina disse que ele e sua família choraram quando voltaram a se encontrar com Malala na quinta-feira. "Estamos muito felizes", afirmou. "Eu rezo por ela".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.