Menina paquistanesa foi forçada a usar colete explosivo

A polícia do Paquistão disse hoje que militantes sequestraram uma menina de 9 anos quando ela seguia para a escola e a forçaram a usar um colete com explosivos. A garota e a polícia disseram que ela conseguiu escapar dos sequestradores quando eles a levavam para o local do ataque, um posto de verificação paramilitar no noroeste do país.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2011 | 15h49

Sohana Jawed, que está na terceira série, disse que foi raptada no sábado perto de sua casa, em Peshawar, e levada para o distrito de Lower Dir, que fica a uma distância de quatro horas de carro, onde foi encontrada hoje.

A polícia de Lower Dir apresentou Jawed durante uma coletiva de imprensa, onde ela contou sua história vestida com o uniforme escolar. Mas a polícia de Peshawar disse que não recebeu nenhuma reclamação sobre o desaparecimento de uma menina e que não identificou qualquer moradora com seu nome. Militantes do país têm usado meninos para a realização de ataques, mas o uso de meninas é raro.

Durante a coletiva de imprensa, Jawed disse que foi agarrada por duas mulheres quando ia para a escola e forçada a entrar num carro com dois homens. Um dos homens colocou um lenço em sua boca que a deixou inconsciente, revelou a menina em outra entrevista para uma emissora local de televisão. Quando ela acordou e começou a chorar, um dos homens deu a ela bolachas com algo que, mais uma vez, a fez desmaiar.

Quando acordou novamente, ela estava numa casa estranha. "Naquela manhã, as mulheres e os homens me forçaram a colocar uma jaqueta pesada e me colocaram no carro de novo", disse Jawed. O colete suicida continha quase 9 kg de explosivos e parece ter sido desenhado para ser detonado remotamente, disse o chefe de polícia de Lower Dir, Salim Marwat, à Associated Press. "O mais provável é que os explosivos seriam detonados por um controle remoto, já que a menina estava usando o colete", afirmou.

Os sequestradores a levaram até um posto de verificação controlado pela força paramilitar Frontier Corps que fica a cerca de 10 quilômetros de Timergarah, a principal cidade do distrito de Lower Dir. Quando saiu do carro, a menina correu na direção dos soldados paramilitares para mostrar a eles o que estava usando, disse Marwat. "Eu percebi a oportunidade de soltar minha mão da mulher e corri", contou Jawed.

Assim que os soldados perceberam o que estava acontecendo, os sequestradores fugiram, afirmou Marwat. A polícia realizou uma operação de busca para encontrá-los, disse ele. Não está clara a razão pela qual os sequestradores não detonaram o colete com explosivos depois de Jawed ter fugido. Marwat acredita que eles simplesmente entraram em pânico.

Asif Khan, chefe de polícia da área de Peshawar onde Jawed diz que mora e foi sequestrada, disse que não recebeu nenhuma reclamação sobre o desaparecimento de uma menina e não identificou nenhuma moradora com seu nome.

A polícia de Lower Dir pretende fazer mais perguntas a Jawed assim que ela for examinada por um psiquiatra, que a está ajudando a lidar com o trauma. "A polícia vai tentar obter mais informações, assim que ela estiver melhor", afirmou Marwat. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.