Menina paquistanesa já consegue se levantar e escrever

Apesar da perceptível melhora, ela ainda manifesta sintomas de infecção

AE, Agência Estado

19 de outubro de 2012 | 12h38

BIRMINGHAM, INGLATERRA - A adolescente paquistanesa Malala Yousufzai, vítima de um atentado do Taleban na semana passada, já é capaz de se levantar com a ajuda de alguém e de escrever, disseram os médicos que cuidam dela em um hospital de Birmingham, Inglaterra, nesta sexta-feira, 19. Apesar da perceptível melhora, ela ainda manifesta sintomas de infecção.

Veja também:

linkAutor de ataque a paquistanesa foi preso e solto em 2009, dizem fontes

linkMenina baleada pelo Taleban consegue mexer os braços

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

O doutor Dave Rosser, diretor do Hospital Rainha Elizabeth, disse que Malala "gostaria que se agradecesse pelo apoio e pelo interesse do público por ela", mas a situação da paciente ainda demanda cuidados.

Veja fotos:

Acredita-se que a infecção esteja relacionada a estilhaços da bala de revólver que a atingiu na cabeça quando foi atacada pelo Taleban, comentou Rosser.

Também nesta sexta-feira, funcionários da escola onde Malala estuda no Paquistão informaram que a adolescente tem 15 anos de idade, e não 14 como haviam informado anteriormente as autoridades locais. Nos registros escolares de Malala consta como data de nascimento o dia 12 de julho de 1997.

Malala Yousafzai tornou-se conhecida por defender a ida de meninas muçulmanas para a escola, o que a tornou alvo de fundamentalistas islâmicos no Paquistão. Na terça-feira da semana passada, Malala foi baleada na cabeça quando estava a bordo de um ônibus escolar.

O Taleban paquistanês assumiu a responsabilidade pelo crime, afirmando que o trabalho dela é "obsceno", e a ameaça atacá-la novamente, até conseguir matá-la, por considerar que ela promove o "pensamento ocidental". O atentado causou comoção dentro e fora do Paquistão.

As informações são da Associated Press.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.