Menino brasileiro é retido em Taiwan

Ummenino brasileiro de cinco anos está sendo retido em Taiwan desde março pelos familiares do pai, que morreu depois de levar ofilho para uma visita ao país.Iruan Ergui Wu vivia com a avó, em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, desde amorte da mãe brasileira, em 1998. O pai, Teng-Shu Wu, 46 anos, era capitão de um navio pesqueiro e, a cada seis meses,costumava encontrar-se com o menino em Montevidéu, no Uruguai.Em 9 de março, a avó, Rosa Leocádia da Silva Ergui, viajou com Iruan à capital uruguaia para se encontrar com Wu. ?Eusempre levava meu neto para ver o pai. Desta vez Wu disse que queria levar o filho para conhecer a família, em Taiwan, e quevoltaria em 15 dias?, disse Rosa.Pai e filho embarcaram de avião para Taiwan, e, no último dia 28, Rosa recebeu a notícia da morte de Wu da empresa para aqual ele vendia atum no Uruguai, a Companhia Tina Si.De acordo com as informações do irmão de Wu, ele teria morrido enquanto dormia, provavelmente de enfarte.O irmão tambémavisou, por meio de um amigo chinês que conhecia Rosa, que Iruan seria criado pela família em Taiwan. ?Disseram que nãoiriam mandar meu neto de volta e que iriam cuidar dele lá?.Rosa já conversou com o menino, por telefone, mas diz que nasúltimas vezes Iruan tem chorado e perguntado pelo irmão mais velho, João, de 10 anos. O menino só fala português, e os familiaresde Wu, chinês.?Pobrezinho do meu neto. Ninguém entende ele.É como uma pessoa surda e muda?, diz Rosa.A avó contratou um advogado, que ingressou com uma ação cautelar na Vara da Infância e Juventude de Canoas, pedindo abusca e apreensão de Iruan em Taiwan.O objetivo é que o Ministério das Relações Exteriores do Brasil acione a embaixada emTaiwan para obter junto às autoridades locais a busca de Iruan.De acordo com o advogado Márcio Tavares Moreira, Wu teriaassinado uma escritura pública concedendo a tutela de Iruan à avó.?Precisamos de todo o apoio possível. A grande dificuldade será convencer a Justiça de Taiwan a entregar o menino?, dizMoreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.